2016….Um Ano que Desafiamos a Gravidade

O ano de 2016 está acabando mas resolvemos falar um pouco sobre um musical que conquistou o público brasileiro.

e ouçam bem a minha voz
o Mágico e toda Oz
agora vão me ver voar

No inicio do ano os fãs brasileiros de musicais foram pegos de surpresa com uma das melhores noticias e também uma das mais aguardadas: o musical Wicked iria ganhar uma versão nacional.

O musical foi um dos momentos mais marcantes nos palcos brasileiros em 2016. Um fenômeno na Broadway desde 2003, assistido por milhões de pessoas ao redor, finalmente teve a chance de ganhar uma versão totalmente em português e com um elenco primoroso, composto pelos talentos de duas vozes poderosas: Fabi Bang e Myra Ruiz, que sempre serão lembradas como as nossas eternas Glinda e Elphaba.

O compositor Stephen Schwartz, autor dos célebres Godspell e Pippin e ganhador de três Oscar e de quatro Grammy, é quem assina a trilha sonora original. A peça é baseada em livro de Gregory Maguire sobre o universo anterior dos personagens do clássico O Mágico de Oz.

Com a assinatura da Time For Fun, a produção brasileira, foi um dos musicais mais caros já produzidos em nosso país, foram gastos mais de dezesseis milhões de reais, mas tudo isso foi bem investido, já que em nada a nossa versão ficou devendo para a original. Com eletricidade suficiente para abastecer doze casas, 170 diferentes tipos de couro no figurino, oitenta toneladas de cenário e 34 atores em cena (mais equipe técnica), é um dos maiores espetáculos do ano no Brasil e certamente um dos melhores. A peça entrou em cartaz em março no Teatro Renault, em SP, e lá permaneceu até a metade desse mês.

A história de Wicked começa um pouco depois da narrativa de “O mágico de Oz” ter iniciado. No célebre filme de 1939, baseado na obra do americano L. Frank Braum (1856–1919), um terrível tornado devasta o Kansas no dia em que a garota Dorothy (Judy Garland) voltou para a casa de seus tios após ter fugido para salvar o seu cão Totó. Enquanto todos se abrigaram em um lugar protegido, ela não teve a mesma sorte e acabou sendo atingida por um pedaço de janela. Talvez inconsciente, ela vê o chalé onde mora ser arrastado do solo pelos ares na tempestade. A casa, ao cair no chão, atinge a Bruxa Má do Leste, matando-a. Dessa forma, Dorothy, sem querer, “salva” o povo de Munchkin do seu terrível jugo, mas também desperta a ira da Bruxa Má do Oeste, que jura vingança. Glinda, a Bruxa Boa do Norte, aparece e diz que só quem poderá ajudá-la a voltar para casa é o Mágico de Oz, que mora na Cidade das Esmeraldas, no fim da estrada de tijolos amarelos. Calçando os sapatos de rubi que eram da bruxa falecida, Dorothy parte em sua aventura de volta ao lar, fazendo amigos e também inimigos. No original em inglês, “Bruxa Má” é “Wicked Witch”, daí o nome do musical cuja montagem brasileira aqui se analisa.

A montagem original estreou em Nova Iorque em outubro de 2003. Ela perdeu o Tony Award de Melhor Musical para “Avenida Q”, mas recebeu o troféu de Melhor Cenário, Figurino e Atriz (Idina Menzel), além de outras cinco indicações. Cumpriu 5.124 apresentações, se tornando a 10ª produção com temporada mais longa da história da Broadway, acima de “Rent” e abaixo de “A Bela e a Fera”. A primeira montagem de Londres ainda está em cartaz e atualmente se sustenta no 17º lugar do ranking similar. Uma versão cinematográfica, produzida pela Universal com direção de Stephen Daldry, está a caminho.

A narrativa de Wicked começa quando Glinda (Fabi Bang) revela que conheceu Elphaba (Myra Ruiz) nos tempos da faculdade. As recordações dela, porém, se confundem com fatos que nem ela mesmo sabe. Dessa maneira, o público, lá pelas tantas, passa a ter acesso a informações privilegiadas sobre os personagens como um todo. Sem dúvidas, isso define uma relação muito especial entre palco e plateia que contribui com o sucesso desse musical. Em outras palavras, quem assiste e quem vive a história têm pontos de vista diferentes sobre tudo o que acontece. Se Elphaba é uma bruxa má para a maior parte dos personagens, para o público talvez não seja.

Elphaba, primeira filha do Governador de Munchkin, nasceu verde. Por causa disso, sua inteligência e dom especial para a bruxaria não a tornaram mais respeitada por sua família. O primeiro encontro dela com Glinda se dá quando as duas são recepcionadas na faculdade. Elphaba chega como acompanhante de Nessarose (Giovanna Moreira), sua irmã mais nova, que não pode andar e, por isso, vive em uma cadeira de rodas. Glinda, chamada de Galinda nessa parte da história, é loira, linda e bem vestida e, por tudo isso, muito popular. Sem querer, Elphaba impressiona a professora Madame Morrible (Adriana Quadros), que lhe concede uma vaga em seu concorrido seminário (“O Mágico e Eu”). Assim, de um lado, a estranha e inteligente Elphaba se opõe à popular e burra Galinda, mas o destino as aproxima em uma amizade tão imprevisível quanto inevitável.

A nossa versão brasileira de Wicked vai permanecer nos corações não só do elenco, mas também do público que foi e aplaudiu de perto essa cativante e apaixonante história. Um fato jamais visto em um musical aqui no Brasil, aconteceu na última sessão de Wicked, quando a cena clássica de Desafiar a Gravidade era apresentada. Em um determinado momento da canção, o público foi a loucura e começou a entoar os versos da canção junto de Myra Ruiz e sinceramente, foi um dos momentos mais arrepiantes de todas as apresentações.

Confiram o vídeo e se arrepiem:

Nós só temos a agradecer a Elphaba e Glinda por esse 2016 tão encantado e musical. Vocês jamais serão esquecidas! Nem por nós, nem por toda OZ.

Sobre o Autor

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

The Handmaid's Tale voltou!!! O que rola de novo nesta temporada? Descubra mas SEM SPOILER!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!