30 Rock, coisa boa da NBC

Na coluna O Melhor e Pior de desta semana tem 30 Rock, a série de comédia que é tri-campeã do Emmy! Daí, você deve pensar no quão sofrível é escrever a parte de ‘piores’ desta coluna.

E olha… Foi difícil mesmo. Mas como tem gente que não curte a série, obviamente ela tem algumas coisas que podem ser consideradas defeitos. Será? Continue lendo e tire sua conclusão.

Liz Lemon, a escada da série

Tina Fey é a Deusa! Além do ótimo trabalho em SNL, a mulher ainda me vem com 30 Rock, onde é roteirista, protagonista, produtora, cabelereira, figurinista, dona, massagista… Enfim, na verdade ela é ‘só’ os três primeiras mesmo, mas isso é suficiente!

E qual o motivo de ela estar no topo dos melhores? Simples! No alto de suas três funções, Fey ainda tem o discernimento para distribuir o que há de melhor entre tudo o que escreve para os personagens da série. Nada é concentrado em Liz, nossa protagonista.

Pelo contrário, Liz Lemon acaba sendo a grande personagem escada, para que todos os outros personagens da série consigam subir e arrancar da gente ainda mais risada. E onde entra o trabalho de Tina Fey nisso? Já tá óbvio, vai!

Ela tem a noção certa de que plot tal participação especial pode render e com qual personagem isso ficaria bacana, por exemplo. É ou não é uma ótima roteirista/produtora/atriz?

Participações Especiais

Ainda babando o ovo em cima da Tina Fey, vale dizer que ela é a mulher dos contatos. Quem mais conseguiria trazer Oprah, Julianne Moore, Matt Damon, Eddie Falco e diversas outras personalidades tão queridas e conhecidas para uma comédia de 20 minutos?

E o melhor é que nenhuma dessas participações banalizam a série. Não vira Glee quando escolhe uma música e depois uma ação para o roteiro. Tudo é magicamente costuradinho! Geralmente, elas complementam a narrativa do dia, como se aqueles curtos instantes fossem o pilar de sustentação de todo roteiro daquele capítulo.

Fico imaginando como isso acontece e o quão difícil é. Imagina escrever um roteiro todo com base na Oprah e depois ela recusar. Será que é esse o processo? Dá um nó na minha cabeça só de tentar decifrar. É meio que ‘O ovo ou a galinha?’…

Mas o que vem primeiro não importa. Importante mesmo é que no final a coisa sempre fica incrível.

Nonsense

Essa parte entra no final dos melhores, pois pode facilmente cair para a lista dos piores (assim como o primeiro item da lista dos piores poderia subir pra cá), caso o roteiro da série não seja equilibrado. O melhor de uma comédia é o humor, claro. Mas em 30 Rock o humor é diferente.

Não dá para dizer que é refinado, tão pouco grosseiro. Também não é possível defini-lo como escatológico ou escrachado. É um humor 30 Rock, no qual sutilezas ganham graça pelo óbvio que a gente simplesmente não tinha percebido.

É genial como piadas tão bobas podem render risadas tão altas. Para isto, as referências são extremamente necessárias.

Piadas sobre referências

Não disse que enquanto o ‘Nonsense’ poderia cair para a lista dos piores, o primeiro da lista dos piores poderia subir para a lista dos melhores?

Não que fazer piada com fortes referências seja ruim, nem que as referências da série sejam fracas. O que pega é que 30 Rock é muito galgada na cultura norte-americana, além da cultura nerd — é, tem muito “nerdismo” ali. Isso é ruim? Para mim, não!

Mas é motivo para que muitas pessoas não entendam ou simplesmente não vejam graça na série. A piada simplesmente não é óbvia e nem todo mundo tem repertório para ela. Você mesmo, que é fã de 30 Rock, duvido que entenda 100% do que eles brincam!

Evolução na Reta Final

Como qualquer comédia, 30 Rock não tem lá para onde ir. Óbvio que nesta série o protagonista também tem antagonista, que uma mudança acontecerá com Liz em algum momento da série e bla bla bla… O que pega é que, em suma, 30 rock tem episódios que vivem para seus 20 minutos.

São ‘histórias da semana’, que geralmente vão se acumulando, mas não se acrescentando. E é normal, é comédia. Raras vezes, um arco surge em 30 Rock e, quando aparece, geralmente não é bem aproveitado. Como Jack e suas duas “pretês” na temporada quatro.

E os tais arcos de suspense e ritmo intensificado geralmente ficam pro final da temporada. Talvez uma linha guia, ainda que pequena (mas bem narrada), poderia contribuir um pouco mais. Ou não!

Tracy Morgan/Tracy Jordan

Pode me chamar de implicante. Talvez seja só eu mesmo! Mas Tracy Morgan e seu personagem geralmente boiam na trama e, poucas vezes, acrescentam alguma graça a ela. O personagem é birrento, para não dizer chato. Só rende com Kenneth, a maravilha da série.

Tirando isso, difícil aguentar! E olha que ele [Tracy] tem como amiga Jenna Maroney. Mas até Jenna, no alto de sua loucura e deslumbre com sua falsa fama, ainda é mais divertida do que Tracy. Ou Tracys…

E por hoje é isso! Curte o seriado? Já conferiu o glossário da série? Então corre lá, pois tá valendo a pena.

Sobre o Autor

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Personagem afeminado de Cavaleiros do Zodíaco será mulher em remake da Netflix.

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!