Agent Carter 1×08 — Valediction (Season Finale)

Não preciso de medalhas. Nem da aprovação do Thompson ou do Presidente. Sei o meu valor. Não ligo para a opinião dos outros.” CARTER, Peggy.

Prematuramente, a 1ª temporada chega ao fim e temos alguns pontos para discutir. Valediction não fez feio, mas poderia ter feito mais bonito ainda se não fosse alguns pequenos detalhes que, para uma série que sempre apresentou um conteúdo caprichado, fizeram a diferença.

Começamos com os agentes da RCE investigando as mortes no cinema. Uma cena terrível vos aguardava. Motivadas por um produto químico que induz comportamentos violentos, as pessoas mataram umas as outras. Assim como em Finow, acontecimento que sempre foi uma incógnita na trama. Logo os agentes se dão conta de estão diantes de um atentado aos Estados Unidos. Dr. Ivchenko e Dottie (ou Alice, ou Lorraine, ou Ida… como preferir) planejam espalhar o mesmo gás usado no cinema durante um evento na Times Square. Algo que me irritou no episódio foi o fato da dupla ser colocada como principal ameaça… Leviatã — mal citada no episódio — parece ter sido simplesmente esquecida. Realmente esperava ver mais da conspiração russa na série. Seus motivos, seus métodos e principalmente, seus objetivos. Roteiro apressado? Talvez.

O excêntrico Howard Stark faz seu retorno e se candidata à isca viva para pegar os fugitivos. Peggy Carter obviamente não concorda com a decisão do inventor, mas reconhece a importância do ato para um bem maior. Jarvis também. Depois de alguns imprevistos, a Agente chega até os vilões e agora luta para salvar a vida de uma multidão de inocentes e também a de Stark, a última vítima dos “encantos” do Doutor.

Tudo acaba da forma adequada, porém, muitas pontas foram deixadas para trás…

Outro quesito mínimo que incomodou foi quando Peggy simplesmente abre mão do reconhecimento/recompensa pelo seu brilhante desempenho. O discurso dela para Sousa (a frase já citada) foi muito bonito, ok, mas então por que colocar o drama da protagonista ser subestimada em primeiro plano durante tanto tempo? Como ela mudou de opinião tão repentinamente, sendo que no 1×03 quase meteu os pés pelas mãos para ser respeitada? Acredito que mais telespectadores esperavam vê-la exaltada. Não foi dessa vez. Teve uma salva de palmas, pelo menos.

Defeitos (ainda que quase invisíveis) a parte, resta falar dos acertos. O maior deles, penso eu, foi a cena onde Peggy se despede de uma vez por todas de Steve Rogers. Ela está pronta para seguir em frente com sua vida, aceitando o seu papel na RCE e perdoando Howard e Jarvis. Talvez Daniel Sousa tenha uma vaga no futuro da heroína também, quem sabe? Minha torcida pelo casal sempre ficou bem clara aqui no Box, entretanto, foi ideal a forma como acabou. Aquele sorrisinho da agente já diz o suficiente, amigos…

Agent Carter nunca foi um alto investimento. Os produtores não tinham expectativas tão pretensiosas. Muito pelo contrário. Suou desde o seu anúncio mais como um presente para os fãs da Marvel, sempre repito isso. E se eu estiver certo, cumpriram com o que foi proposto. Também não tenho tanta confiança numa renovação (baseado na audiência), mas posso garantir: vale a pena.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER