AHS: Hotel 5×06 — Room 33

O sexto episódio, Room 33, avança na discussão sobre padrões predeterminados

Ninguém me achou inteligente o suficiente para me dar livros”. — DUFFY, Tristan

Room 33, o sexto episódio de AHS: Hotel, começa em Los Angeles, no ano de 1926. Acompanhamos uma Lady Gaga vacilante, com medo, sem todo o glamour da Condessa, saindo de um carro e entrando numa casarão.

Apesar da imagem meio lavada, quase em preto e branco, aquela casa parece familiar. Ao ver um porta-retratos de uma mulher, o marido e uma criança, nos recordamos de Lily Rabe e da primeira temporada de AHS, sobre a casa assombrada. Ou seja: assim como em Freak Show houve um reencontro com Asylum, em Hotel voltamos ao início.

Depois de revelar a história da transformação de Liz, no episódio anterior, Room 33 vai mais além, ao mostrá-la vulnerável em uma cena de sexo e carinho com Tristan Duffy (Finn Wittrock). Se os detratores e críticos de Murphy erram em algo é quando o acusam de abusar da sexualidade, principalmente, nas cenas de sexo homossexual. Nada é gratuito. Apenas liberal.

Room 33

O criador de Glee e diretor de The Normal Heart está apenas quebrando paradigmas e ideias preconcebidas. Após a cena entre Liz e Tristan, a Condessa chama o rapaz para ajudá-la com Will Drake (Cheyenne Jackson), que ela precisa seduzir, para conseguir salvar o Hotel. Como Drake não gosta de mulher, a Condessa precisa da ajuda de seu novo brinquedo sexual para continuar com o plano.

E Tristan se mostra reticente, dizendo: “Eu não sou gay”. Mas as pessoas, ao assistirem ao episódio, podem se perguntar: ele acabou de dormir com Liz, o personagem transgênero perfeitamente interpretado por Denis O’Hare? Acontece que o próprio diz a Tristan após o sexo tórrido: “Obrigado por enxergar a garota”. Ou seja, Murphy está dizendo claramente. Não há padrões predefinidos. O preconceito, a homofobia e a transfobia não levam a lugar nenhum.

Enquanto isso, Alex (Chloë Sevigny) precisa esconder o seu novo segredo e John (Wes Bentley), interrompendo os planos de Donovan (Matt Bomer) e Ramona (Angela Bassett). Inclusive, é Donovan que conta para as novas transformadas, apresentadas no primeiro episódio, um pouco sobre a dinâmica do hotel.

Se até agora, AHS Hotel brincou de reverenciar O Iluminado, com a estética kitsch, o sangue e as crianças, e Seven, com a história do serial killer; Room 33 brinca de Bebê de Rosemary. Somos apresentados ao filho da Condessa. Mas é preciso esperar até o final para conhecer a gracinha (só que não).

Depois de um começo meio fraco, AHS Hotel entra em um ritmo crescente, apresentando um sexto episódio melhor que o último. E cheio de reviravoltas, com a crueldade da Condessa totalmente relevada. “Don’t be a drag, juts be a Queen”.

[taq_review]

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER