As melhores personagens de Susana Vieira

Ela é a Rainha da Dramaturgia Brasileira. Mas qual é a melhor personagem de Susana Vieira? Escolhemos cinco.

Na semana passada, a coluna #Gongshow elegeu Susana Vieira como sua grande diva e musa inspiradora. Afinal, assim como a atriz global, são muitos os que não têm paciência com quem está começando.

A matéria rendeu ótimos comentários oriundos dos mais diversos setores da sociedade brasileira. Em muitos deles, a solicitação para um Top5 com os melhores personagens da atriz era solicitada. Por isso, atendendo a esse clamor popular, exibiremos aqui os cinco personagens mais marcantes de Susanita da TV brasileira.

Naturalmente, uma lista de tamanha responsabilidade não poderia ser feita sozinho. Recebemos o auxílio inestimável do nosso colega de casa Guilherme Tibúrcio (o Tybb), sem o qual essa coluna não teria o mesmo brilho, e do site Teledramaturgia, do Nilson Xavier. Sem mais delongas, boralá com a Susanita?

5º Marina Steen, de A Sucessora (1978–1979)

A própria Susana considera esse um de seus trabalhos mais marcantes. Ao casar-se com Roberto Steen, a criada Marina precisa conviver com a sombra da ex-mulher do marido, morta, mas eternizada pela governanta e por um quadro na sala da estar. Uma personagem extremamente complexa, permitindo Susana brilhar. Eleita como uma das melhores tramas do horário das 18 horas, a novela escrita por Manoel Carlos levou uma boa dose de suspense ao ar, com uma perfeita reconstituição de época. Uma curiosidade: A Sucessora tem muito a ver com o filme de Hitchcock Rebecca, a Mulher Inesquecível, de 1940, baseado no livro de Daphné du Maurier, que teria plagiado Carolina Nabuco (a autora de A Sucessora).

4º Ana, de A próxima vítima (1995)

Ana era a típica mãe italiana, mesmo não tendo descendência. Dona de pizzaria, passa vinte anos casada com um homem, com quem tem três filhos, para então descobrir que o marido era casado com outra mulher. A ruína de sua vida se completa ainda mais quando surge a decepção ao descobrir que seu melhor amigo é apaixonado por ela. O texto escrito por Sílvio de Abreu coloca Susana Vieira dando vida a um personagem peculiar, mesclando o jeitão rude de uma legítima italiana com um coração cheio de ricos sentimentos. Como esquecer um das cenas mais emocionantes e honestas da teledramaturgia brasileira quando Ana descobre a homossexualidade de seu filho Sandrinho? Ana diz que não o entende, mas o respeita. É tão delicado que vamos resgatar para você conferir.

3º Maria do Carmo, de Senhora do Destino (2004–2005)

Quando se fala de Senhora do Destino, todo mundo se lembra apenas do trabalho de Renata Sorrah como a vilã Nazaré Tedesco (sem dúvida, uma vilã memorável!). Aliás, a novela tinha tantos personagens marcantes! Acontece que a Maria do Carmo de Susana Vieira foi um de seus trabalhos mais consistentes, com uma caracterização e construção de personagem cheia de nuances (mesmo sustentando aquele sotaque nordestino que, por vezes, destoava dos demais). Maria do Carmo era retirante, perdeu a filha, venceu na vida. Uma guerreira com a cara do Brasil que rejeitou um médico a favor de um ex-operário nordestino. Uma curiosidade: Aguinaldo Silva, o autor, ofereceu os dois papéis para Susana optar: a protagonista e a antagonista. Ela acabou se inclinando pela primeira.

2º Nice, de Anjo Mau (1976)

Nice foi a primeira protagonista de Susana Vieira e, curiosamente, o primeiro trabalho do autor Cassiano Gabus Mendes na Globo, criando um modelo ideal para o horário das sete horas. Anjo Mau foi um recordista de audiência no horário. A babá era o tipo de personagem pouco usual como protagonista: praticamente uma vilã, fez muitas trapaças para conseguir ficar com Rodrigo, vivido por José Wilker. Susana chegou até a ser agredida na rua devido à confusão da atriz com a personagem que vivia. Quando Nice descobre-se apaixonada por ele, arrepende-se de seus erros. O público torceu para que a babá não morresse no parto. Mas a censura não compartilhava da ideia de uma personagem de caráter dúbio tivesse um final feliz ao lado de seu amado e, no final, impôs que a personagem teria que morrer. “A morte de Nice deu 90% de audiência!”, declarou Susana na época. O remake comandado por Maria Adelaide Amaral prestou uma homenagem à Susana, colocando-a no último capítulo como a nova babá contratada pelos Medeiros.

1º Branca, de Por Amor (1997–1998)

Novamente pelas mãos de Manoel Carlos, Susana Vieira tem o grande papel de suas vida. Depois desse, todas suas outras vilãs vividas nas telinhas foram variações em maior ou menor grau desta. Susana fez odiar a perversa vilã de Por Amor. Susana brilhou como nunca antes tinha brilhado. Sua Branca transitava pela novela espalhando seu veneno, e gostava de ser cruel com quem ela considerava desprezível, odiando, inclusive, o filho mais novo e louvando nitidamente o preferido filho mais velho. E quer mais um motivo para a vilã estar em primeiro lugar? “Porque nunca mais esqueceremos do seu nome todo: Branca Letícia de Barros Mota” (by Tybb).

Fiquem com uma ótima cena de Branca. Vale a pena cada segundo da interpretação dela.

Menções honrosas: Cândida de A Escalada, Rubra Rosa de Fera Ferida e Marta de Bambolê.

E vocês? Concordam ou discordam? Esqueci de alguma? Reclama aí. É a hora para isso!

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER