Comédia francesa escorrega na pretensão em O que eu fiz para merecer isso?

Com uma história passada em um único dia, a comédia O que eu fiz para merecer isso? perde-se no excesso de clichês.

O que eu fiz para merecer isso CARTAZ

O cinema francês é conhecido mundialmente por sua qualidade, tendo nos brindando ao longo das ultimas décadas com grandes cineastas e um olhar delicado e elegante sobre a natureza humana. Dito isto é realmente de se estranhar uma comédia que soe tão familiar e repleta de clichês como este O que eu fiz para merece isso?

Michel Leproux, um grande fã de jazz, encontra em um sebo o raro disco Me, myself and I de Neil Youart (ambos fictícios) que sempre sonhou em ter e ouvir tranquilamente em seu belo apartamento. Porém ao chegar é recebido com uma festa no prédio, a esposa em crise revelando segredos do passado, o filho desempregado buscando sua atenção, uma reforma em seu apartamento e a emprega fazendo faxina, entre outros acontecimentos que o deixarão cada vez mais longe de realizar o sonho antigo de sentar-se e simplesmente ouvir o tal álbum.

Originalmente uma peça de teatro, a história do homem que não consegue sossego e vê sua vida de pernas para o ar em uma única tarde não abraçou a dimensão de sua nova casa, o cinema, resultando em um filme cheio de boas intenções, sem realizar boa parte delas.

Com um ritmo intenso, marcado por entradas e saídas de vários personagens, a obra ainda guarda nuances de seu formato original, e, como no teatro, apresenta uma série de sequências — algumas bastante previsíveis — que gradativamente culminam na completa perda de controle do personagem central, um sujeito egoísta e pouco carismático.

O resultado é uma comédia que não diverte mesmo abusando de encontros e desencontros, brigas e até uma família de refugiados (?) em um emaranhado de situações cômicas que provocam no máximo sorrisos.

A frente do elenco Christian Clavier, no papel de Michel, conhecido pela comédia Que mal eu fiz a Deus? e alguns nomes conhecidos do publico francês, como Carole Bouquet e Stéphane De Groodt. Detalhe curioso é a presença de Rossy De Palma, antiga musa de Pedro Almodóvar no papel de Maria, a empregada intrometida. Bons tempos quando vivia sob a batuta do mestre espanhol.

Filmado em 2014 e lançado em dezembro daquele mesmo ano na França, O que eu fiz para merecer isso? chega ao Brasil um mês depois de ser lançado no Chile, em uma modesta campanha na América Latina. Não que figure entre os piores já realizados, mas sua passagem pelos cinemas tanto tempo depois não se justifica. Faz o publico brasileiro, tão familiarizado com os serviços de streaming como Netflix, se perguntar o que fez para merecer isso.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER