Downton Abbey 6×04 — Episode Four

De forma anacrônica, Downton Abbey critica a aristocracia e o modelo meritrocrático.

Tudo que é preciso para o mal triunfar é que homens de bem não façam nada.” — MOSLEY, Joseph

Em seu quarto episódio, Downton Abbey nos surpreende e dá continuidade às narrativas propostas, conseguindo, ainda que de forma subliminar e anacrônica, criticar o modelo meritocrático e a aristocracia, em um incrível trabalho de metalinguagem com a própria série.

Escrito por Julian Fellowes e com direção do veterano Philip John, que também dirigiu o episódio anterior, acompanhamos os acontecimentos após o casamento de Mr. Carson e Mrs. Hughes e o repentino retorno de Tom.

A chegada de Branson traria um risco ao crescimento e empoderamento que Lady Mary iniciou nas temporadas anteriores. Sabiamente o roteiro consegue manter este empoderamento. levando Tom a seguir um caminho só seu, sem necessariamente precisar substituir Mary em suas funções de administradora de Downton.

Downton Abbey 6x04

Com Mr.Carson e Mrs.Hughes em lua de mel, Thomas assume temporariamente a posição de mordomo. Algo que sempre almejou deste o episódio piloto. Fellowes, assim como fez com Mary no episódio passado, nos faz lembrar que, apesar dos dramas já vividos, Thomas continua com sua essência intacta. Isso, em um primeiro momento, pode parecer uma falha na evolução da narrativa do personagem. Porém, intencionalmente ou não, leva o roteiro a questionamentos mais abrangentes.

Apesar do tempo, Thomas continua uma pessoa ciumenta, rancorosa e inescrupulosa que não mede esforços para atingir a quem quer que seja, motivado por seu orgulho ferido e ressentimentos.

O retorno de Gwen (Rose Leslie) a Donwnton é o estopim para o roteiro deslanchar, de forma louvável, críticas ao modelo aristocrático e de falsa meritocracia.

Primeiro devemos nos ater, leitor, à crítica que Fellowes faz novamente ao modelo aristocrático e privilegiado da sociedade, ao colocar Gwen Harding frente à frente com os Grantham e nenhum deles — com a exceção de Tom, que outrora era chofer, e a reconheceu de imediato -, a reconhecer como a antiga criada.

Gwen vem como o modelo da ascensão da classe trabalhadora. e chega a sentar de igual a igual a mesa. A mediocridade dos membros nobres chega a ser exposta com a fala de Lady Edith: “Você trabalhou dois anos para nós e nem a reconhecemos. ”

Já num segundo momento, é através da amargura e questionamentos de Thomas que o roteiro questiona o modelo da meritocracia. Afinal, o que de fato os personagens que trabalharam por anos, abdicando quase que por completo de suas vidas sociais, ganham em troca? O que diferencia o esforço de Mrs. Patmore, Daisy, Anna e Mr. Carson por exemplo?

Em uma outra instância temos Daisy (Sophie McShera, melhor a cada episódio) que também questiona este modelo indo por um viés diferente do de Thomas. Percebam que a decisão em deixar Mr. Mason na antiga casa dos Drewes quase vai abaixo pelo fato de que ele, sendo idoso, não pode proporcionar lucros.

O questionamento de Daisy a Tom mostra como o sistema capitalista ou monárquico usa dos menos privilegiados para benefício próprio. E no fim é isto que Daisy coloca em voga. De que vale os anos servidos de Mr. Mason e ter um filho morto na guerra defendendo o seu país, se ao chegar na velhice todas estas entregas/sacríficos e trabalho rapidamente podem ser trocados por algo que ofereça um melhor lucro? Qual o mérito?

E assim o roteiro nos faz lembrar a falta que faz a Downton a caçula dos Crawleys. Não há como negar que Lady Sybil era, de fato, a melhor das personagens e a mais humanitária. E sua importância se faz tão grande neste episódio que apenas pela presença de sua memória é que seus iguais se questionam se de fato são boas pessoas.

Aliado a este vértice central da bondade com o próximo, temos os dilemas de Mrs. Baxter — que foram muito bem-vindos -, trazendo um destaque a atriz Raquel Cassidy.

Por fim, Julian Fellowes também trabalha de forma primorosa a atenção do espectador com a volta das dores abdominais e da úlcera de Robert. Será que teremos mais uma perda antes do fim? Só o tempo dirá.

E você leitor, o que achou deste episódio? Não se esqueça de deixar abaixo seus comentários e também sua nota. Fiquem com a promo do próximo episódio.

[taq_review]

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER