Universo Cinematográfico Harry Potter

E se criassem o Universo Cinematográfico de Harry Potter?

Ainda há muito o que contar sobre o mundo bruxo criado por J. K. Rowling, e um universo cinematográfico de Harry Potter é tudo que a gente precisa

Uma das grandes apostas da Marvel e da DC / Warner Bros. no cinema é criar um universo que ligue todos os seus lançamentos, e de alguma forma se comuniquem. Esse modelo já gerou tanto lucro para ambos os estúdios, que já vem sendo replicado por outros títulos, como Transformers, e o mais recente Universo dos Monstros da Universal Pictures.

Não é segredo que a franquia de Harry Potter é uma das mais importantes do entretenimento, e a nova saga, Animais Fantásticos e Onde Habitam, abriu uma nova chance para as histórias do mundo bruxo criado por J. K. Rowling continuarem vivas nas telonas. Mas nós, como fãs, queremos sempre mais, e por quê não ampliar essa ideia para outros spin-offs, e criar um universo cinematográfico próprio?

Aqui, apresentamos algumas ideias que poderiam ganhar seus próprios filmes, e ampliar as histórias que começaram com o jovem bruxo britânico.

Os Aurores

No mundo bruxo, os aurores funcionam como o MI6 para a coroa britânica, responsável por investigar e deter as ameaças aos feiticeiros e à magia num todo. Ser um auror exige treinamento pesado, uma verdadeiro jornada, que tem seus riscos e benefícios. Na saga original conhecemos alguns deles – Tonks, Kingsley Shacklebolt e Olho-Tonto Moody – e o próprio Harry se tornou um depois que se formou em Hogwarts.

Um filme baseado nas façanhas dos aurores combinaria magia com espionagem, abrindo portas para uma história focada em uma trama mais adulta – algo realmente novo para a série – preservando o elemento da fantasia. Os britânicos já dominam o gênero de espionagem, e esta história reuniria o público antigo com uma nova audiência.

As Aventuras de Neville Longbottom

Neville Longbottom começou como um jovem atrapalhado, que arrancava riso dos fãs, mas em Relíquias da Morte: Parte 2, provou sua coragem e foi essencial no plano de Harry para derrotar o Lorde das Trevas. Além disso, Voldemort também suspeitava que Neville seria o “escolhido” que deveria derrubá-lo, e caso tivesse mirado nele ao invés de Harry, a história toda seria completamente diferente.

Depois de seus dias em Hogwarts, Neville atuou como auror, e depois passou a lecionar Herbologia na antiga escola. Imagina quanta história Longbottom viveu nesse período…. Essa também seria a chance de vermos Hogwarts de uma nova perspectiva, a de quem trabalha lá.

A comunidade bruxa em outras partes do mundo

Quem assiste Harry Potter pela primeira vez, pode achar que a comunidade bruxa se concentra apenas no Reino Unido, mas existe muito mais além das terras da Rainha – e até mesmo da Europa. Explorar outros cantos do mundo, e outras comunidades, suas leis e órgãos, é a chance de vermos como a magia se manifesta diante de outras culturas (o boto cor-de-rosa certamente seria estudado em Castelobruxo, escola brasileira de magia).

Um novo cenário, e no processo, uma nova abordagem para feiticeiros e feiticeiras desse universo poderia levar a série em uma nova direção, para uma geração inteiramente nova. Quem sabe não vira uma febre tão grande quanto os filmes originais, e outros parques temáticos surgem ao redor do mundo!

Os mistérios do Ministério da Magia

Conhecemos alguns feitiços que os jovens bruxos aprendem em Hogwarts, mas o Ministério da Magia guarda segredos que poderiam que poderiam abalar a população de feiticeiros britânicos. Uma série ambientada no órgão mais importante da comunidade britânica daria uma perspectiva científica para as histórias de J. K. Rowling.

Ao desvendar e investigar os experimentos e mistérios protegidos pelas paredes e escritórios do Ministério da Magia, o público seria convidado a desafiar a realidade que já conhecida. A certeza é que ficaríamos bastante intrigados e várias teorias iriam surgir no processo.

Os Marotos

Os Marotos pode ser um nome peculiar para um grupo de bruxos, mas são bastante talentosos. Aluado, Rabicho, Almofadinhas e Pontas – ou Remus Lupin, Pedro Pettigrew, Sirius Black e Tiago Potter – são os responsáveis por criar o Mapa que indica a posição de cada um no Castelo de Hogwarts, que foi de grande ajuda para Harry em O Prisioneiro de Azkaban.

Certamente, é uma história interessante e facilmente adaptável para as telas. Veríamos Hogwarts nos anos 7, numa trama que envolve amizade e amadurecimento, além de vermos Pettigrew antes de se tornar um dos servos do Lorde das Trevas.

O Quadribol

Não é só porque Harry é um dos melhores jogadores de Hogwarts, mas o Quadribol despertou interesse no público tanto dos livros, como da série de filmes. Embora não tenha ganhado espaço suficiente neles, teve apelo suficiente para que J. K. escrevesse um livro dedicado às regras do esporte mais famoso do mundo bruxo.

Quadribol Através dos Séculos já tem material suficiente para mostrar a beleza do Quadribol, seus campeonatos e equipes, e oferece bastante ação para uma trama cinematográfica. A Copa do Mundo de Quadribol tem doses de emoção para mais uma série de spin-offs da franquia Harry Potter.

 

Tem mais ideias? Compartilhe com a gente nos comentários!

Sobre o Autor

Leo Sousa

Séries de TV, filmes, realities shows, livros, música e mais. Editor no boxpop.com.br.

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

The Handmaid's Tale voltou!!! O que rola de novo nesta temporada? Descubra mas SEM SPOILER!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!