Entrevista com a bordadeira de Game of Thrones

A bordadeira que faz pequenas obras de arte nos figurinos de Game of Thrones.

Vou escrever novamente sobre o figurino de Game Of Thrones porque é tão maravilhoso e cheios de detalhes que rende muito assunto.

Mas desta vez o enfoque será a bordadeira da série, seu trabalho impecável de bordado nas roupas de cada personagem é uma obra de arte.

O nome dela é Michele Carragher e ela deu uma entrevista pro blog Worn Through que merece ser traduzida e compartilhada.

Michele Carragher

Carragher é bordadeira e ilustradora de figurino para cinema e televisão. Ela estudou design e ilustração no London College of Fashion e selaria no Cordwainers College. Antes de sua carreira no cinema e na televisão, Carragher trabalhou como conservadora têxtil em museus e coleções particulares, especializou-se em bordados à mão. Abaixo, ela compartilha o caminho que a levou à sua especialidade, seu processo de pesquisa e conselhos para quem quer seguir essa carreira.

Você estudou design na London College of Fashion. O que fez você decidir entrar para a Moda? Era seu objetivo trabalhar com figurino?

Eu acho que quando eu saí da Faculdade eu não tinha certeza do que eu queria fazer, tudo o que eu sabia é que eu queria trabalhar em um campo criativo onde eu poderia utilizar os vários meios que eu tinha paixão, como ilustração, pintura, escultura e a criação de figurinos. Então, quando chegou a hora de escolher qual faculdade fazer fiquei entre arte ou moda, eu não consigo me lembrar como cheguei a fazer a escolha, mas a moda venceu no final.

No London College of Fashion eu realmente gostei de matérias como chapelaria, tricô e bordado, mas me dei conta de que o trabalho que eu produzi no curso não era com objetivo de moda, era mais avant-garde, talvez se nessa fase eu tivesse consciência sobre Haute Couture eu poderia ter seguido nesta direção.

No meu tempo de faculdade eu fiz amigos que estavam no curso de Design de Teatro e fiquei fascinada com o trabalho que eles realizavam. Até pensei em trocar de curso mas nessa fase já era tarde demais para mudar de direção.

Após a faculdade, por causa da minha aptidão em bordados à mão, tive a oportunidade de trabalhar em conservação de têxteis e foi nessa área que eu aperfeiçoei minhas habilidades em costura e bordado. Ao mesmo tempo, eu comecei a me envolver na produção de filmes de baixo orçamento de um grupo de amigos fazendo os figurinos, por meio destes trabalhos eu progredi para filmagem profissional.

Então, eu não tinha como objetivo principal começar a trabalhar com figurino, meu caminho de trabalho evoluiu gradualmente ao longo de muitos anos.

Você estudou muitas áreas de design de moda na faculdade, mas sua especialidade agora é o bordado. Voce focou em bordado durante o curso da Faculdade? Bordado foi algo que você praticou antes de seu curso no London College of Fashion?

Eu fiz um pouco de bordado básico na escola e estava sempre envolvida em fazer figurinos e pinturas de cenários para todas as produções da escola. Em casa minha mãe e minha avó faziam roupas, tricots e bordados, então eu fui incentivada de forma criativa pelas duas.

A primeira grande manifestação de usar o bordado criativamente aconteceu enquanto eu estava na faculdade. Eu queria que muitos dos projetos que eu estava concebendo lá tivessem uma presença escultórica, por isso, a fim de obter a aparência desejada eu investi muito tempo aprendendo bordado e tricô para ajudar a alcançar meu objetivo.

Como conservadora têxtil, quais foram as peças favoritas em que trabalhou? Que elementos deste trabalho que você achou desafiador?

Uma das primeiras peças em que trabalhei foi uma colcha inglesa do século 18 que só tinha um quarto bordado e precisava preencher o restante para completá-la. Foi semelhante ao trabalho com bordado de lã no que se refere à mistura de pontos utilizados, mas era mais fina e executada com fios de seda. Esse trabalho levou meses para ser concluído, provavelmente o dobro do tempo que eu pensei que seria, por isso, reconstruir esse grande bordado me ajudou a tornar-me mais consciente e entender como estimar horários de trabalhos futuros.

Outras peças interessantes que eu tinha que fazer o trabalho de conservação foi num par de figurinos usados por Marilyn Monroe, o famoso vestido preto usado em Quanto mais quente melhor e o vestido de paetês vermelho de Os Homens preferem as Loiras que ela e Jane Russell usavam. Estes foram exibidos em uma exposição no Museu Imperial da Guerra em Londres, eles eram lindos de se ver e bem pequenos.

Vestido que Marilyn Monroe usou em Quanto mais quente melhor. Os homens preferem as loiras

Quando você trabalhou como assistente de figurino, quais foram as fontes que você utilizou para a pesquisa? Na mesma linha, quais fontes você olha ao desenvolver um novo conceito de bordado?

Meu processo de criação é semelhante para cada projeto. Eu começo reunindo me com a figurinista que já vai ter pesquisado o que quer para o filme e terá pranchas de figurino, esboços do projeto e amostras de tecido.

Depois disso começo a fazer minha própria pesquisa, se é uma peça histórica, vou olhar todo tipo de bordado utilizado no período em questão. Vou olhar roupas da época e referências de tecidos em livros históricos, também pesquiso na internet e em museus, porque é sempre bom ver a coisa real a olho nu, se possível. Eu, então, reuno tecidos adequados, passamanarias, miçangas, fios, etc, para me ajudar a recriar algo baseado na minha pesquisa e compreensão do período e então eu inicio a amostragem de algumas idéias.

Os tecidos que eu vejo no meu trabalho de conservação são uma inspiração constante e eu sempre documento motivos e padrões ou técnicas que são úteis para usar no meu trabalho de bordadeira de figurino.

Você às vezes borda diretamente em um figurino e, outras, em crepeline primeiro. Por quais razões você escolhe um ou outro?

O tempo é sempre um problema quando produzimos um trabalho para cinema e TV. Em um filme de grande orçamento, haverá mais tempo de preparação e pesquisa e os atores podem ser contratados mais cedo.

Então, se a figurinista tem uma peça específica em mente pra fazer, ela pode construir esse figurino, fazer a prova de roupa com o ator e depois disso eu posso entrar com o meu trabalho de imaginar o bordado a ser aplicado. Mas você também pode não ter esse tempo para terminar o bordado, isso tudo depende do planejamento e programação.

Na TV você tem muito menos tempo de preparação e por isso é mais fácil se o figurino é feito, provado e eu trabalho entre uma prova de roupa e outra. Durante meu tempo trabalhando em Game of Thrones a melhor solução sou eu começar o bordado separado do figurino, criando uma espécie de motivo que eu possa, em seguida, aplicar ao figurino e trabalhar mais sobre ele se for necessário.

A razão para eu utilizar a crepeline é que ele é muito simples de trabalhar e pode ser tingido para coincidir com a cor da roupa, de modo que, quando eu costuro o bordado no tecido do figurino a base de crepeline torna-se praticamente invisível.

Não existe uma maneira certa ou errada para bordar, você só tem que encontrar a melhor solução para cada situação particular e para mim, criando as fases iniciais do meu bordado em crepeline isso significa que eu posso ser mais ambiciosa com o trabalho que eu quero criar e ter menos pressão, uma vez que não fico segurando o processo de produção do figurino.

Game of Thrones combina história com fantasia, na concepção de bordados para esses figurinos, voce pensa nesses dois aspectos ? Você está sob a direção da figurinista Michele Clapton ou de outras pessoas?

Na primeira temporada de Game of Thrones os produtores queriam criar algo que, embora fosse uma fantasia, deveria ser um mundo crível e por isso foi descrito como se fosse um drama real de época, baseado na época Medieval, mas os designers eram livres para extrair elementos de qualquer lugar para atender cada tribo ou personagem contanto que esses elementos caibam na história narrativa ou status do personagem.

SONY DSC

Quem me orienta é o figurinista, ele já deve ter tido muitos encontros com outros chefes de departamento para decidir sobre o olhar, o estilo e o tom da produção.

Para um drama histórico o figurinista busca referências para poder me orientar e tudo isso vai influenciar diretamente no meu trabalho. A idéia é criar um estilo de trabalho que é crível para o público como pertencentes ao período que você está retratando na tela e é adequado para o estado do personagem ou de uma história narrativa. No caso de uma fantasia como Game of Thrones você tem mais liberdade para criar projetos pois não está restrito a um período específico no tempo.

Vestido azul

Independente do gênero do filme, você vai trabalhar para transmitir uma narrativa visual para o público, criar um mundo crível e compreensível, seja ele contemporâneo, imaginário ou de fantasia.

Para os leitores que desejam aprender a bordar, o que voce recomenda? Qual é o seu conselho para bordadeiras que querem entrar no campo de cinema / TV?

Basta aprender fazendo, começar com algo fácil, experimentar diferentes pontos, alguns são mais faceis e rápido de fazer. Você pode achar que é mais fácil copiar alguns bordados existente que você gosta e, em seguida, avançar no sentido de projetar seu próprio bordado, você vai encontrar o seu estilo naturalmente. Algumas pessoas tem um bordado mais arrumado e preciso, outros podem ser naturalmente mais solto e mais orgânico. Embora existam diferentes estilos e técnicas, não existe coisa certa ou errada a fazer, alguém em algum lugar inicialmente inventou cada ponto para atender o que tinham em mente e os materiais à mão, por isso basta tentar. Alguns fios são mais fáceis de usar do que outros, tem que ir experimentando, os metálicos, por exemplo, podem ser complicados e precisa de mais paciência. Você só precisa praticar e muito da precisão da técnica está no controle dos pontos de entrada e saída da agulha, você gradualmente vai usar a maioria de seus dedos de ambas as mãos para sentir a agulha e linha enquanto você trabalha.

Há também muitos livros que ensinam técnicas de bordado, mas se você tiver um bom livro de base que ensine todos os pontos, ele pode sempre sua referência, depois, se você encontrar um estilo particular de trabalho, então voce vai olhar para livros específicos que ensinam as técnicas que voce quer usar , e há também um monte de tutoriais em vídeo online, que podem ser úteis se você precisar ver um ponto ou técnica na prática.

Eu tive sorte no meu trabalho de conservação a ser paga para aprender e praticar o meu bordado em vários tecidos, e se tivesse um ponto que eu não tinha feito antes, eu pesquisava sobre ele e praticava em algum tecido barato antes de bordar no tecido real. Portanto, encontrar uma boa loja tem variedade de linhas é um bônus, embora como você possa comprar muito pela internet, se você precisar de uma cor específica, a precisão das cores de linha nos sites não é tão boa e você pode perder dinheiro na coisa errada. Em Londres há uma loja fantástica de linhas — The London Bead Company & Delicate Stitches.

No que diz respeito a trabalhar no cinema e na TV, a maioria das equipes de figurino trabalham juntas sempre, é como na vida que você constrói relacionamentos com amigos. Compreender os gostos e estilos do outro se torna mais fácil quanto mais você trabalhar juntos e constrói uma relação de confiança mútua. A figurinista trabalha sob muita pressão e precisa de uma equipe em torno dela que tenham a mesma visão que ela. Para fazer parte de equipes de figurino, conhecer pessoas para quem voce possa mostrar suas habilidades e competências para que elas a indiquem pra algum trabalho. É um trabalho duro e os dias são longos, um dia de trabalho é geralmente em torno de 10/12 horas. E se precisa terminar algo você pode ter que ficar acordado a noite toda, então você precisa ter foco e resistência e estar disposto, capaz e adaptável porque as coisas tendem a mudar à medida que o projeto progride e você tem que ser receptivo a isso.

Mesmo se você quiser se especializar em bordado, é bom para obter experiência trabalhar como assistente de figurino, assim você começa a ver como cada um na equipe de figurino contribui para a produção e entende como é o processo que acontece na sala de trabalho até chegar as telas. Por isso, nem sempre é fácil e pode ser bem cansativo, mas ao mesmo tempo é fantástico o trabalho no campo criativo e se você tiver sorte o suficiente para trabalhar em uma série como Game of Thrones, você estará sendo pago para experimentar, criar e desenvolver idéias com infinitas possibilidades.

______________________________________________

Aqui no Brasil esse tipo de profissional não recebe o reconhecimento que merece, espero que isso mude para que possamos ver figurinos com mais bordados.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER