Essa história dava uma série de TV

Hey você, desliga esse Telecurso 2000 e vem dar uma olhada agora no The Box Is On The Table, porque aqui é o local onde você ganha assunto para suas rodinhas noir.

Aderindo a criativa ideia de um dos leitores ASSÍDUOS deste espaço, essa semana vos trago um Top 3 de livros que deveriam se tornar séries de TV, porque eu não sei vocês, mas enquanto eu leio, fico imaginando até mesmo quais atores interpretariam tais personagens.

Logo, se vocês também possuem alguma obra em mente e já a imaginou na telinha, sinta-se livre para expressar sua cultura na área de comentários.

A Cidade do Sol — Já imagino até mesmo qual a emissora eu gostaria que comprasse os direitos autorais desse livro: Showtime. Pois bem sabemos que a referida tem a ousadia suficiente de que se precisa, e ainda, contamos com a preferência do canal por colocar as mulheres no centro das atenções com uma trama bastante complexa, na qual o humor negro e o drama sempre se misturam. A Cidade do Sol retrata a difícil vida de duas mulheres afegãs — Mariam e Laila — que em meio às constantes guerras e preconceitos do Oriente Médio, acabam tendo seus destinos entrelaçados.

Khaled Hosseini, autor do best-seller O Caçador de Pipas, narra com muita clareza e sensibilidade, as dificuldades que as mulheres ainda passam naquela parte do mundo, no qual o machismo impera fortemente, obrigando-as a viver submissas e sob vários estados de humilhação. Mariam e Laila são personagens fictícios criados a partir de pessoas reais, que lutam todos os dias para sobreviver em um local comandado por um cultura arrasadora e que não dá a elas o menor direito de escolha.

Motivos para se assistir: Primeiro: qual o canal não gostaria de transformar a obra de um autor famoso em uma série de TV? Segundo que retratar o modo de vida de uma outra civilização, bem diferente da nossa ou da qual estamos acostumados a ver é realmente uma aposta inteligente.

Millennium — Esta aqui, se bem desenvolvida, é a receita perfeita para uma série de TV de sucesso. Juntando a narrativa policial, romances conturbados e um bom fundo crítico, Millennium teria tudo para virar “o” hype do momento no mundo da telinha. Criada pelo sueco Stieg Larsson, a saga constitui um romance policial sobre o jornalista editor/sócio da revista Millennium, Mikael Blomkvist, que se encontra em uma situação bem difícil após sofrer um processo de um magnata político, quando este foi acusado por vários crimes pela revista de Mikael, a qual é especializada em desmascarar corrupção neste meio.

Enquanto isso, no interior da Suécia, um rico empresário chamado Henrik Vanger deseja contratar Mikael Blomkvist para que ele possa investigar o desaparecimento de sua sobrinha Harriet Vanger, sumida há 40 anos sem deixar vestígios. Em troca desse árduo trabalho, Henrik ajudaria Mikael a vencer o processo que está em jogo.

Ao par de todos estes acontecimentos, conhecemos ainda a singular Lisbeth Salander, uma investigadora muito inteligente com meios nada ortodoxos, que se envolve também com Mikael, e os dois, portanto, formam uma parceria a fim de investigar o desaparecimento de Harriet e os crimes políticos — especialmente o tráfico de mulheres — que cercam a revista Millenium.

Motivos para se assistir: Creio que a maioria já tem conhecimento que o filme (versão americano) da saga Millenium já está em processo de produção, no entanto, devido a história da trilogia ser bem extensa, penso que seria melhor o formato série de TV, afinal sempre há o receio de que a versão para telona não seja fiel ao livro.

Nada Dura Para Sempre— Hospital, médicos iniciantes, muitos romances e… assassinatos? Não, esta não é a season finale de Grey’s Anatomy e sim mais um dos ótimos livros do mestre do romance policial Sidney Sheldon. Nada Dura Para Sempre conta a história de três médicas recém-formadas, que estão iniciando o programa de residência no hospital de São Francisco.

A narrativa tende a explicar como cada uma se envolveu em um determinado problema. A personagem Dra Paige foi acusada de matar um paciente em troca de 1 milhão de dólares, enquanto que a Dra Honey causou o caos no hospital e, por fim, a Dra Kat foi assassinada. Conforme a trama vai se desenvolvendo, o quebra-cabeça vai se encaixando e vemos que nem tudo é o que parecia. Aqui, Sidney Sheldon realiza mais uma proeza, ao misturar os elementos que tanto adoramos em seus livros: personagens cativantes, história ágil e muitas surpresas.

Motivos para se assistir: Eu sei bem que o gênero médico para série de TV já foi mais explorado do que qualquer outra coisa, mas em Nada Dura Para Sempre, além de Sidney ter criado uma história que entretem, ele ainda soma a sua obra aquele teor de mistério de um drama policial, uma junção que deu certo no livro e que também veria um futuro em frente a telinha.

E vocês, caros leitores, iriam conferir os livros que eu gostaria que se tornassem séries de TV? Tem alguma outra obra em mente? Expressem-se!

Sobre o Autor

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Personagem afeminado de Cavaleiros do Zodíaco será mulher em remake da Netflix.

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!