Glee 4×07 — Dynamic Duets

Quem esperou que Dynamic Duets viesse recheado de performances, pode até ter se decepcionado um pouco, já que o episódio chegou a ser econômico musicalmente. Os que esperavam ver mais sobre o que anda acontecendo em Nova Iorque, também ficaram na mão. E, mais uma vez, não deu pra sentir falta disso.

Não que Rachel e Kurt tenham se tornado obsoletos para Glee, mas com as histórias sendo tão bem desenvolvidas no colégio, a vontade é que os dois voltem a fazer parte das histórias passadas em Ohio. E olha que no episódio anterior tivemos uma acontecimento bombástico em NY.

Blaine foi o centro das atenções por boa parte do episódio, o que pode ser preocupante. Mais uma vez, a origem de todo o mal é o rompimento de Blaine e Kurt e, se resolverem entender a história por muito mais tempo, corremos um grande de risco de ver acontecer com Blaine o mesmo que aconteceu com Kurt na segunda temporada — muito drama e sofrimento pra uma pessoa só.

Por enquanto, a história tem sido eficiente, mesmo com o surgimento de um vilão nem de longe bi-curious que é mais feminino que Chris Colfer. A Dalton Academy, aliás, parece mais um colégio interno para meninas, o que fica mais evidente a cada escolha musical do coral — a não ser que as músicas sejam escolhidas pelas primas de doze anos dos integrantes.

De volta ao McKinley temos a história dos duetos, que foram resumidos à Marley/Kitty e Jake/Ryder. Jake e Ryder conseguem resolver logo suas pendências (mesmo que com prazo de validade próximo do fim), aproveitando pra deixar claro que Blake é bem superior a todos os novatos, o que fica bem evidente na performance dos dois — e, lógico, nas cenas entre Ryder e Finn depois do diagnóstico de dislexia.

Sendo Kitty uma Quinn 2.0 (o que vem ficando mais evidente a cada novo episódio), já sabemos que sua relação com Marley vai demorar um pouco mais para ser resolvida, mas tem sido interessante ver a relação que está sendo construída e, nesse episódio, a surpresa de Kitty ao ver o monstro que ela está criando (na cena em que Marley convida Jake para sair).

Beist, além de fazer mais uma de suas aparições que fazem a gente querer poder abraçá-la, está ganhando uma concorrente, hummmmm, de peso (sorry): Mrs. Rose, a mãe de Marley. Vamos todos torcer pra que ela ganhe mais espaço, o que deve acontecer com Marley desenvolvendo um transtorno alimentar.

E, finalmente, o que já vinha chamando atenção, e até criando alguma polêmica, no episódio antes mesmo de sua exibição: as fantasias, que foram usadas para abordar o tema da (falta de) liderança de Finn. Obviamente foi um recurso totalmente dispensável, mas que também não prejudicou em nada o episódio. Na verdade, deixaram o episódio mais dinâmico (pun intended), com aquelas vinhetas bem anos 60/70 e as transições de cenas em formato de HQ. O melhor de Glee é não ter medo de brincar com formatos diferentes. Sem contar que foi ótimo ver Darren Criss empolgadíssimo com a possibilidade de ser um super herói, mas sobre isso eu sou suspeito para falar.

Como eu disse, o episódio foi bem econômico com as músicas. Os Warblers praticamente obrigam Blaine a fazer Dark Side, de Kelly Clarkson. Se alguém conseguir explicar porque eles acham que podem ganhar um campeonato cantando versões a capella das músicas, por favor, me avise.

Jake e Ryder escolheram Superman do R.E.M. para seu dueto e, tirando as caretas de Jake, não deixaram a desejar, apesar de não terem sido páreo para Marley e Kitty com Holding out for a hero, de Bonnie Tyler. Ótimas interpretação (no caso de Becca, ótimo uso do Auto Tune por parte de Nikki) e performance.

Sam e Blaine fazem um versão de Heroes, de David Bowie — mais para a versão do Wallflowers do que a original. Bowie + Darren + Calça vermelha. Preciso dizer mais?

E, fechando o episódio, Some Nights, do fun., pelo New Directions. Ou seja, aquela performance que já está virando tradição na série sempre que tudo termina bem: música duvidosa e roupa vermelha e preta.

Provavelmente, teremos pouca coisa de NY no próximo episódio, já que é dia de Sectionals. Sinceramente, não estou me incomodando tanto quanto achei que iria me incomodar.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER