Globo de Ouro saúda o renascimento do musical

La La Land — Cantando Estações conquista a Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood.

Lá se vão mais de quinze anos desde que Moulin Rouge — Amor em Vermelho surgiu no cenário mundial dando nova visibilidade ao gênero musical, que andava bem em baixa em Hollywood. Na sequência, veio Chicago e se tornou o primeiro musical a conquistar um Oscar de Melhor Filme em 34 anos. Os Miseráveis até que tentou em 2012, mas falhou em conquistar o ponto mais alto das premiações. Agora, o musical voltou com tudo. E para ganhar.

O responsável pela ressurreição do gênero atendo pelo nome de Damien Chazelle. Você deve se lembrar dele, não pela sua aparência, e sim por outra obra impactante: Whiplash — em busca do sonho. A história do professor de música que tortura seu aluno de bateria arrebatou prêmios, consagrou a carreira de J.K. Simmons e mostrou ao mundo quem era Chazelle. Agora, o diretor volta com seu musical La La Land — Cantando Estações e tem a chance de ir ainda mas longe do que já foi.

As sete indicações que o filme conquistou no Globo de Ouro na segunda-feira, dia 12, apontam que esta é a produção a ser batida na atual temporada de premiações. Mas o que faz de La La Land um filme capaz de vencer o preconceito que muitos têm com musicais e se tornar o queridinho do ano?

Vivemos em uma época de sonhos frustrados. A falta de esperança acabou acomodando todo mundo em uma bolha de conforto, difícil de ser estourada. La La Land vem de encontro a esses anseios ao mostrar uma aspirante a atriz e um músico de jazz em busca de seus sonhos. Com uma fotografia carregada nas tintas, roteiro acachapante, trilha sonora deliciosamente agridoce e interpretações irresistíveis de Ryan Gosling e Emma Stone, o filme de Chazelle tem chances certeiras em Filme Musical/Comédia, Atriz em Musical/Comédia, Canção Original e Trilha Sonora. E ainda pode levar em Direção, Roteiro e Ator em Musical/Comédia.

Nem só de música viverá o homem…

A divisão que o Globo de Ouro faz entre drama e musical/comédia acaba dando visibilidade a outros filmes igualmente interessantes e merecem prêmio. Se La La Land é o lobo solitário em sua categoria, o mesmo não pode se dizer dos dramas.

Manchester à beira mar e Moonlight são os fortes concorrentes dramáticos. Ambos os filmes são o que convém chamar de estudo de personagem. No primeiro, um homem precisa retornar à sua cidade natal para cuidar do sobrinho e confrontar as pessoas e os sentimentos que o expulsaram anos atrás. No segundo, um jovem negro e gay parte uma jornada de autoconhecimento buscando o amor e evitando a solidão.

São dois filmes bastante sintomáticos e que, juntos com La La Land, acabam traduzindo todo um sentimento contemporâneo. Casey Affleck, por Manchester, e Mahershala Ali, por Moonlight, são os nomes praticamente certos como vencedores nas categorias de Ator em Drama e Ator Coadjuvante respectivamente.

O super-herói é diferente até nas premiações

E quem diria que Deadpool, lançado lá em janeiro, teria fôlego para chegar até aqui? Esse é o bom do Globo de Ouro que por votado por um número reduzido de pessoas acaba proporcionando boas surpresas.

Diferente de todos os filmes de super-herói que você já viu, Deadpool tem um tom sarcástico, irônico e abusa da metalinguagem. Todo esse diferencial fez com que mordesse duas indicações: Melhor Filme Muscial/Comédia e Melhor Ator em Musical/Comédia.

Dessas duas indicações, o que tenha melhor chances é mesmo Ryan Reynolds. Só que para se firmar, o ator precisa derrotar o filme preferido das premiações, La La Land. Não seria de todo ruim vê-lo com o Globo de Ouro, já que Reynolds realmente é a alma do filme.

Globo de Ouro da diversidade

Como se não bastasse reconhecer um filme sobre um jovem negro e gay, o Globo de Ouro também abraçou de vez a diversidade e com uma paleta bastante multicultural em seus indicados.

Denzel Washington e Viola Davis concorrem por Fences, baseado na peça teatral homônima e que também aborda a frustração de um homem que sonhava ser jogador de beisebol, mas que precisa se contentar com a frustrada vida de catador de lixo. É o ano de Viola e a atriz é praticamente a grande vencedora do ano. Denzel corre por fora.

Isabelle Huppert é francesa e tem seu momento de grande visibilidade em Hollywood. No entanto, diferente de Marion Cotillard, Huppert está em Elle, um filme excelente, mas sem o mesmo apelo que Piaf tinha. Além disso, encontrará pela frente ninguém menos que Jackie Onassis personificada na pessoa de Natalie Portman. A indicação de Huppert pode ser considerada uma vitória para a renomada atriz.

Barry Jenkins, diretor de Moonlight, pode fazer o que nenhum conseguiu até agora: ser um diretor negro a conquistar um Globo de Ouro. Steve McQueen quase conseguiu o feito por 12 anos de escravidão. Seria a força de Jenkins suficiente para derrotar o favorito Damien Chazelle?

A esnobada de A Chegada e a lembrança de Lion

Indicações acabam tendo dessas coisas. Filmes incríveis acabam sendo esnobados e produções que ninguém dá nada por elas acabam se destacando. É o caso de A Chegada Lion.

Quando saiu a lista dos indicados, surpreendeu a ausência de A Chegada nas categorias principais. Um dos melhores filmes do ano conseguiu apenas emplacar sua atriz Amy Adams e sua trilha sonora. Uma grande injustiça, sem dúvida.

Lion surgiu do nada e conseguiu indicação em filme, ator e atriz coadjuvantes e trilha sonora. A surpresa é porque o filme não vinha aparecendo com frequência nas listas dos principais prêmios. Apesar da história tocante, Lion acaba esbarrando no melodrama barato. Serviu para trazer Nicole Kidman de volta aos holofotes.

Outros destaques

· Meryl Streep conquista sua 30ª indicação ao Globo de Ouro. Ela já será homenageada na noite. Precisava mesmo de outra indicação?

· Justin Timberlake continuará a tradição de ser um astro da música agraciado com um Globo de Ouro?

· Annette Benning será mais uma vez derrotada por uma jovem atriz em ascensão?

· Mel Gibson ainda tem força?

A 74ª edição do Globo de Ouro acontece no dia 8 de janeiro, com a apresentação de Jimmy Fallon. A lista completa você encontra aqui nesse link. Quais são seus palpites?

Sobre o Autor

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

The Handmaid's Tale voltou!!! O que rola de novo nesta temporada? Descubra mas SEM SPOILER!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!