House 8×19 — The C Word

O tema dessa semana em House é tão perfeito para a série que todos os grandes momentos dramáticos (via season finale) giram em torno disso: a relação médico-paciente, quando os médicos são os pacientes.

Foi assim quando o House quis fazer uma cirurgia nele mesmo; assim quando a Amber morreu e o Wilson tinha que tratar a mulher como se fosse só uma paciente; assim quando o Foreman ficou doente, quando o Chase foi esfaqueado num quarto do hospital, quando a mãe da Cuddy ficou ruim, etc, etc, etc…

No fim das contas, é isso o que guia todo o conflito nessa série — não se o House está pegando alguém, feliz da vida, ou não.

Assim, nada melhor do que colocar médicos no lugar de pacientes entre os dois personagens principais — se House nasceu inspirado em Sherlock Holmes, nada como um caso que coloque ele e Wilson juntos, caçando o rabo um do outro, para terminar a série. Claro, isso se o final da série for mesmo ao redor de um oncologista com câncer — vai ver o Wilson e o tumor dele vão terminar no próximo episódio e pronto.

Mas… é, vai saber…

Colocar uma linda menininha como paciente é 104% apelação, mas eu acho ótimo os pais discutindo quem ama mais a filha com base em cor favorita ou RH e tipo sanguíneo. O mais divertido é que a mãe está errada porque usa a filha de cobaia e quer tratar da menina mesmo sem distanciamento; e o pai está errado porque joga a menina no carrossel e na floresta e finge que a menina está super bem.

É divertido que ela seja uma mãe ruim porque quer manter a filha viva e ele seja um pai ruim porque quer manter a filha feliz. E, enquanto isso, a menina está maluca pensando que o atrito entre os dois por causa dela vai acabar separando os dois. Manda os três pro Casos de Família e você tem uma tarde com 12 pontos de audiência.

No fim das contas o Chase vira o líder da turma e acaba adivinhando a solução pro caso de um jeito tão absurdo quanto quando o House conversa com alguém em chinês ou alguma outra coisa assim — claro que é possível, mas… não é como se a gente pudesse ver de onde veio.

Além de todo o drama, pela primeira vez, os próprios personagens deixam claro o motivo pelo qual a série vai terminar sem ninguém gostar da Dra. Adams.

Ela tem o papel chato de ser a mulher da equipe, que é sempre a personagem encarregada de defender a ética, a moral e os bons costumes. Mas ela não só não tem todo o charme e o carisma que a Cameron tinha (ou até a Masters…), como também, parafraseando o Dr. Taub: “ela é nova”.

Talvez o mais interessante seja o meio da noite de tormenta do Dr. Wilson quando ele encara toda a ontologia da doença dele dizendo que, se ele fosse uma pessoa horrível como o House, sofrer tudo aquilo pelo menos faria sentido. É até chocante, na hora, mas não é exatamente inesperado.

Vários episódios magníficos da série deixam claro o quanto o Wilson é muito brother, mas está sempre tentando baixar a bola do House — como em Cane & Able, na terceira temporada — ou falando com todas as letras que ele só traz desgraça pra todo mundo — como quando a Amber morre.

Agora são só três episódios. É bom que isso tudo valha a pena.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER