Jessica Jones 1×01 — AKA Ladies Night

AKA Ladies Night dita as regras do jogo psicológico que é a nova estreia do Netflix, Jessica Jones.

Sabendo que é verdade você tem que tomar uma decisão. Um, continuar negando. Dois, fazer algo a respeito.” — JONES, Jessica

Nova York não é um lugar muito seguro no universo Marvel. Tanto para o cinema quanto para TV, a cidade pode esconder um pesadelo a cada esquina e Jessica Jones veio para reforçar essa ideia.

Mesmo não apresentando muito a origem da personagem, como foi feito em Daredevil, percebemos que a vida não foi boa com Jessica. Cheia de traumas e fantasmas do passado, ela é uma bagunça completa.

Nos quadrinhos, que estreou em 2001 e também serviu de inspiração para série, além de beber muito, a personagem principal também fuma como uma chaminé. E apesar dos temas fortes abordados pela série, não veremos esse vício na tela por causa de uma cláusula no contrato com a Disney (que também é dona dos diretos Marvel) que proíbe uso de cigarros e derivados em suas produções.

O primeiro episódio, desde sua abertura animada (muito parecida com o primeiro vídeo de divulgação da série e alguns materiais liberados antes de seu lançamento), até a trilha sonora, remete o show à um clima de série investigativa dos anos 90.

A não aparição total do grande vilão deixa um tom de suspense sombrio que é bem característico das HQ’s. O Homem Púrpura, que não é roxo, mas é representado por uma variação na iluminação da cena por essa cor, é como se fosse o bicho papão que Jessica teme constantemente.

Quem não acreditava que Kristen Ritter estivesse apta para o papel, pode morder a língua e assumir que fará maratona sem intervalos da série. A atriz não só se encaixou perfeitamente no papel como, desde a primeira cena, parece muito confortável encarnando a personagem.

Outro fator que distancia Jessica de seu futuro companheiro de equipe Matt Murdock, é que a moça não quer ser uma heroína. Conhecemos a personagem em um ponto onde ela já tentou fazer isso e desistiu. Aqui a ameaça não é contra “sua cidade”, Kilgrave representa uma ameaça direta, e ao menos por enquanto, seu alvo principal é a própria Jess.

Quanto aos que criticaram ou duvidaram de Melissa Rosenberg como principal produtora da série, por conta de seu passado com Crepúsculo, era bom ter esperado para comentar depois do lançamento.

A produtora/roteirista, provou que seu trabalho vai muito além de seu passado infame, com a grande responsabilidade de adaptar uma das personagens mais populares da Marvel na atualidade. Só com o episódio piloto, podemos ver que a série é feminista, forte e obscura na medida certa para agradar todos os tipos de fãs.

Os diálogos são articulados e eficientes, em nenhum ponto fala-se demais ou de menos, o telespectador é dosado na medida certa para continuar acompanhando compulsivamente a série.

O caso da personagem com Luke Cage acabou se mostrando mais complexo que o esperado. Como todos parecem maltratados pelo passado, com ele não seria diferente, ainda que tudo tenha ficado suspenso sobre o assunto. Esta é mais uma parte da trama que temos necessidade de desvendar.

Agora que já estamos todos viciados, só nos resta partir para o próximo episódio. Mas antes deixe sua nota para AKA Ladies Night no quadro abaixo e diga o que achou de Jessica Jones nos comentários!

[taq_review]

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER