Jessica Jones 1×10 — AKA 1.000 Cuts

Em AKA 1.000 Cuts a série parece organizar suas peças no tabuleiro para o grande confronto final.

Eu lembro vividamente, esperei tanto tempo por aquele momento. Por uma oportunidade de fugir de você […] Tirar você da minha cabeça era como limpar fungo de uma janela! Eu não conseguia pensar.” — JONES, Jessica

Algumas partes do quebra-cabeça que é o mistério da origem e dos poderes de Kilgrave vem a tona logo no começo do episódio. E quando paramos para reparar, vemos que muito mais do passado e das capacidades do vilão são trabalhados do que da própria personagem central.

O caso de Jeri e sua traição ficam mais expostos, pois ela não só facilitou a fuga de Kilgrave, como acabou compelida a salvá-lo. Chega a ser irônico ver uma mulher na posição dela refém dos caprichos dele. O que nos dá mais uma oportunidade de perceber como seus poderes funcionam. A literalidade com que seus comandos são seguidos e sua eficiência.

Uma das melhores cenas ficou por conta de Wendy. A morte por mil cortes, que inclusive é o título do episódio, foi tensa e teve uma conclusão inesperada. No fim, mais uma vez coisas ruins acontecem com pessoas boas em Jessica Jones. Por isso é sempre bom estar de olhos abertos.

Enquanto isso Jeri, a grande facilitadora de todos os acontecimentos, continua sua movimentação implacável para resolver seus próprios problemas.

A permanência de Kilgrave na vida de Jessica foi encenada de forma genial. O personagem em si é uma grande mente do mal. A forma como desde a casa ele cria situações que prendem Jessica à sua consciência e benevolência deixa o personagem ainda mais sádico.

Assim, é possível manter o nível de intimidade entre a heroína e o vilão. É muito difícil em uma série do gênero vermos tanta interação entre os rivais que não sejam em batalhas. A pressão mais uma vez não tem nada a ver com pancadaria, guardas armados e cenas de lutas bem coreografadas. A opressão do vilão é clara, muitas vezes representando metaforicamente a prisão mental apresentada nos gibis, aqui levada além do controle direto de Kilgrave.

Algumas pessoas podem ter achado estranha a cena da lembrança de Jessica e Kilgrave sobre os dezoito segundos que ela supostamente ficou fora de seu controle e teve a oportunidade de fugir. Seu sonho a mostrava fugindo em um cavalo branco sem príncipe: a consciência de que ela era a única que poderia fazer algo para se salvar.

No entanto a cena, além de icônica, tem uma função muito objetiva: mostrar como é difícil, inclusive para alguém como Jessica se livrar do controle do vilão. E reforçar diretamente o que ele disse para Jeri no episódio anterior sobre como uma história sempre tem dois lados, e a verdade mora em algum lugar no meio.

O personagem de Simpson finalmente é revelado, com um easter egg do isqueiro que ele usa para colocar fogo no corpo do detetive Clemons, que teve uma participação rápida e particularmente inútil na série. Nuke ou Sargento Simpson faz sua grande primeira aparição, cheia do estilo que agrada os fãs do personagem através dos anos.

E quando finalmente os personagens Malcolm e Robyn tem algum destaque realmente relevante, é para fazer alguma coisa errada dar mais errado ainda. Aliás, todo aquele grupo de apoio para vítimas de Kilgrave tem relevância ínfima para a série. Existindo por conveniência, surgindo para embasar as piores tramas.

A participação deles desta vez serviu, ao menos, para a outra grande cena do episódio, quando tudo dá errado na troca de reféns entre Jessica e Kilgrave. E finalmente Hope descobre seu papel nessa história. Obviamente toda essa dor de cabeça poderia ter sido evitada, mas como já comentamos, Jessica é movida pela culpa. Seus atos heroicos têm sempre ligação direta com sua consciência e sobre algo que a afeta. Portanto a morte de Hope era a única forma da personagem se sentir compelida a finalmente matar seu oponente.

Agora todas as peças parecem posicionadas para a batalha. A fuga de Kilgrave no fim do episódio pode dar margem a mais “caça ao rato”, que inclusive é tudo o que aconteceu na série até agora. Mas com as regras alteradas, a conclusão da história já parece mais alinhada.

Não se esqueça de dar uma nota para o episódio no placar abaixo e comentar se você está gostando ou não da nova série da Marvel em parceria com a Netflix.

[taq_review]

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER