Miss Universo: pós modernidade

Após o grande feito, Denise esteve em séries como Smallville e Freddie

Chegamos ao último post da nossa saga. Hoje é (finalmente) dia de Miss Universo! “Chegou o dia que o meu coração tá daquele jeito”. Pra te deixar no clima, a coluna Com texto e história encerra essa trajetória com um apanhado do que teve de bom nesses anos 2000.

Em 2001, uma miss finalmente foi coroada em casa. É sem dúvida, o sonho de qualquer país que recebe o Miss Universo: ver sua candidata vencer. Denise Quiñones vivenciou um momento mágico diante do povo porto-riquenho em 2001. Mas na verdade, outras misses já haviam vencido em casa: todas americanas. Isso porque o concurso demorou muito parar sair dos EUA.

Já em 2002, a Rússia finalmente conquistou seu primeiro título. A policial e investigadora Oxana Fedorova largou o distintivo para ir atrás do seu sonho. Infelizmente ele não durou muito: ela é a única Miss Universo da história a ser destronada. Os motivos ninguém conhece até hoje!

Oxana é detentora da maior nota que conhecemos em traje de banho: 9,888

Segundo as Organizações Miss Universo, a destituição aconteceu por “quebra de contrato e incapacidade de cumprir suas funções”. Após a destituição, Oxana tornou-se uma grande estrela em seu país. A nova Miss Universo foi Justine Pasek, vice de Oxana, do Panamá.

Em 2005, foi a vez de outra russa ganhar o Miss Universo: Natalie Glebova. Mas representando o Canadá. O Miss Canadá é conhecido por sua vasta diversidade e flexibilidade. É muito amigável por exemplo, às estrangeiras (a vencedora de 2009 é brasileira) e foi o primeiro aceitar transsexuais em sua competição nacional (ver Jenna Talackova).

Em 2006, um fenômeno sem antecedentes pisou no palco dos concursos. Quando o furacão Zuleyka Rivera varreu as outras candidatas. A boricua marcou época com esse épico desfile. Mas o poder dela mesmo estava em outro artifício: o vestido. Peça do renomado estilista do mundo miss Carlos Alberto — uma obra de arte de oito quilos, milimetricamente tecida com cristais:

MISS UNIVERSE 2006

Zuleyka venceu e tornou-se a quinta Miss Porto Rico a conquistar o título. Momentos depois de ser coroada, ela desmaiou. Foi rapidamente atendida e estava bem. Claro que aos 18 anos de idade, carregar o sonho de uma nação nas costas já pesava. Imagina um vestido de oito quilos. De lá para cá, Porto Rico vem passando por uma má fase no concurso. Mas potência é potência, e eles vão se reerguer.

Se no futebol o penta do Brasil veio em 2002, no Miss Universo ele só aconteceu em 2007, 7 anos atrás: Natália Guimarães fez uma nova geração de brasileiros, totalmente desfamiliariazada com concursos de beleza, parar na frente da TV pra celebrar o orgulho da nação — as mulheres. Ao passo em que Natália avançava, a audiência subia e a torcida também.

Precisa de legenda?

E foram pelo menos uns 3 anos aguentando muita miss tentando se inspirar, imitar seu estilo.Sinto muito. Natália Guimarães é única. Para os que acompanham concursos só de vez em quando, é difícil assistir sem pensar nela. Todos os fãs e entusiastas de concursos de miss no Brasil devem muito a ela. Foi sair para procurar ar livre depois de muito tempo respirando por aparelhos.

Ainda em 2007, uma série de protestos aconteceu na Cidade do México contra o traje típico da sua representante local, que refletia cenas violentas da Guerra Civil mexicana, com muito vermelho e desenhos relacionados a morte e tortura. O governo se manifestou, e Rosa Maria acabou por trocar de traje. Neste ano, a Miss Costa Rica também teve de trocar de traje após uma série polêmicas que a peça resultou.

Foi em 2007/2008 que o primeiro “back to back” aconteceu. Mas de quedas. Primeiro, Rachel Smith caiu no desfile com vestido em 2007. Foi aplaudida pela plateia mexicana, levantou e foi ao TOP 5 em detrimento da candidata da casa, Rosa Maria Ojeda Cuen. Os mexicanos como bons torcedores que são, vaiaram a americana até o final do concurso. E em 2008 teve nova queda para a outra Miss EUA, com Crystle Stewart, que acabou parando no TOP 10.

Em 2009 sim, veio o tão esperado back to back de verdade. Fenômeno até então inédito na história do concurso, se trata de quando uma Miss Universo é coroada por sua compatriota. Claro que só um país poderia encarar a dura missão de vencer duas vezes seguidas — e eles abocanharam a chance: Stefania Fernadez foi coroada pela também venezuelana Dayana Mendonza, a Miss Universo 2008.

"La corona se quedo en casa!"

Em 2011 o concurso finalmente veio para o Brasil. Acontecido em São Paulo, é até hoje para os fãs dos concursos uma decepção em termos de resultados, especialmente pelo fracasso de favoritas que nem TOP 16 entraram. Foi o primeiro ano em que o público pode escolher uma candidata para se classificar: a votação na internet optou pela Miss Portugal.

Aliás, ela, a brasileira, a angolana e a boliviana formaram um grupo que bombou no concurso: “Portuguese Society”, já que todas falavam português, além da venezuelana, também descendente de lusófonos. As falantes da nossa língua se deram bem: foi um TOP 15 para a Venezuela, um TOP 10 para Portugal, o terceiro lugar para o Brasil (com uma das maiores torcidas da história) e a primeira vitória da Angola, que foi abraçada enormemente pelo público presente.

Aliás, foi em 2011 que o Brasil começou mostrar do que é capaz: voltou a amedrontar os outros países e está 3 anos consecutivos no TOP 15. Hoje, a cearense Melissa Gurgel vai atrás de mais uma classificação — tudo com o objetivo de deixar o país invicto de presenças na final do concurso. Será que teremos uma década inteira de classificações?…

"The Portuguese Society", apesar do nome do grupo ser em inglês.

Em 2013, a Rússia também recebeu o concurso pela primeira vez. As tensões do país com o recém-independente Kosovo (potência ascendente no Miss Universo) acabaram impedindo a participação da miss do país. Em protesto, a Miss Albânia, país irmão, também decidiu não ir ao concurso, já que a coordenação dos dois concursos era a mesma. A Rússia, parceira política da Sérvia, não reconhece a independência kosovar.

Foi em 2013 também em que duas das favoritas foram postas em guerra: Monic Perez, de Porto Rico, ia em busca da sexta coroa de seu país, para empatar com a Venezuela, que estava representada por Gabriela Isler. Monic acabou no TOP 15, enquanto Gabriela saiu vitoriosa, alargando ainda mais a vantagem da Venezuela. O país venceu 3 vezes em 6 anos.

Com o Miss Universo chegando em poucas horas, deixo você com esse lindo vídeo das coroações desde o começo até a mais recente. O concurso será hoje, domingo, às 23h (Horário de Brasília de Verão), e será transmitido ao vivo na Band e no canal a cabo TNT. Prepare sua torcida e escolha suas favoritas. O Box de Séries te deseja um bom espetáculo!

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER