OITNB 3×03 — Empathy Is a Boner Killer

Empathy Is a Boner Killer é um dos episódios mais tensos e emocionantes da nova temporada. Prepare os lencinhos!

Quando saírem daqui vocês se ligarão algumas vezes, talvez saiam para beber algo uma vez, marcarão alguns encontros que vão acabar cancelando e, de repente, estarão muito ocupadas… Mas a verdade é que vão se evitar, porque bastou apenas um copo para perceberem que não têm nada em comum. […] Não somos uma família, somos bandaids e, assim que você puxa, só sobrarão as cicatrizes” — RUIZ, Maria

Num episódio cheio de boas frases para citar, essa da Ruiz é a essência do que vemos em Empathy Is a Boner Killer.

Eu fui dormir com uma pulguinha cutucando minha consciência, pensando na história da Nicky se envolvendo novamente com heroína e com medo dela acabar se prejudicando por causa disso (dormir preocupado com séries, quem nunca, né?), então posso dizer que não foi exatamente uma surpresa o seu destino ao fim do episódio.

Mas também não dá para dizer que fiquei feliz com isso.

Quase na metade da segunda temporada, a série começou a dar indícios de que o vício de Nicky era algo sério e que ela poderia ter uma recaída. Mas eu tinha esperanças de que isso não fosse prejudica-la tão seriamente.

Na realidade, chega a ser irônica a forma como que ela é pega, logo após dar um jeito de se livrar das drogas que tanto a estavam tentando. E levando a culpa pelo único pacotinho que não pertencia à ela.

Sometimes Bad Things Happen to Bad People

Nicky errou ao confiar em Luschek, que abordou Angie e Leanne de forma tão imatura. Tanto que as duas logo perceberam que ele pretendia vender o pacote e, com raiva por perder o barato “vindo dos céus”, denunciaram o esquema.

Talvez Boo fosse uma escolha melhor para reaver a droga perdida. Mas Nicky enfiou os pés pelas mãos e, como castigo, foi transferida para a segurança máxima.

Vale ressaltar que essa questão da penitenciária de segurança máxima aparece agora pela primeira vez na série. Antes as detentas eram simplesmente mandadas para a solitária. Agora temos a preocupação de que alguém pode ir para a segurança máxima e nunca mais voltar.

Quando disse, lá no início, que a frase de Ruiz definia o episódio, era especificamente de Nicky que falava. A Nicky em Litchfield é uma Nicky totalmente diferente da pós-adolescente drogada e problemática que os flashbacks nos mostram. E dói o coração vê-la daquele jeito.

Senti que, se a série fosse sobre a personagem fora da prisão, eu provavelmente a odiaria. E é exatamente isso o que Ruiz dá a entender ao analisar as relações que ocorrem lá dentro.

E isso reflete o universo como um todo, também. Quantas pessoas trabalharam com você e eram, naquela época, suas melhores amigas? Mas depois a afinidade sumiu… Isso acontece no trabalho, na faculdade, o tempo todo. Se é assim nesses ambientes, por que na prisão seria de outra maneira?

No outro plot do episódio temos as consequências da revelação que Piper fez sobre a prisão de Alex. A química entre as duas é perfeita e, mesmo brigadas, elas não conseguem manter as mãos longe uma da outra. A cena no grupo de teatro é muito fofa e serve para mostrar não apenas para nós que estamos assistindo, mas para a própria Alex, o quanto Piper a ama. De uma forma doentia e meio egoísta, mas que não deixa de ser amor — não exatamente saudável, mas amor.

Esse momento do teatro dá um up quanto à nova orientadora, também. A personagem é bem incógnita por enquanto, mas suas ideias são divertidas. E foi uma delícia acompanhar o momento, mesmo com a tensão entre Alex e Piper.

Vale ressaltar como Crazy Eyes consegue roubar qualquer cena em que está presente, mesmo que ela tenha meia linha de diálogos para participar. Ela tem sido uma das melhores personagens do retorno, mesmo sem fazer parte das tramas principais.

Voltando a Alex e Piper, já deu pra perceber que o romance das duas estará bem em destaque durante a temporada e isso traz mais atenção à própria Piper. Se houve um problema na temporada passada foi exatamente o sumiço da Piper do protagonismo da série.

A ideia sempre foi acompanhar aquele mundo pelos olhos dela e, se ela não está em destaque, perdemos esse foco de “gente comum”. Achei a mudança muito bem-vinda pois gosto muito da personagem. Mesmo quando ela faz um monte de besteiras.

Já a questão do fechamento de Litchfield trouxe de volta alguém que eu não esperava ver nunca mais: Natalie Figeroa.

Fig representa a corrupção do sistema. Não podemos esquecer que, se ela não tivesse desviado tanto dinheiro dos recursos da prisão, provavelmente Litchfield não estaria falindo.

A culpa da crise é dela e de sua administração corrupta. No entanto, é uma ironia que seja ela — mediante chantagem, não podemos esquecer — que apresentou o que pode ser uma solução para os problemas financeiros que estão acabando com os cabelos que restam a Caputo.

Simplesmente não consigo imaginar Orange is the New Black se passando em um lugar que não seja Litchfield. Então torço muito para essa solução da venda dê certo. Ou para que Caputo encontre algum outro jeito.

Mas considero também que essa situação abriu as portas para outro lado dele que sabemos estar lá — e que seu jeito meio perdido acaba nos fazendo esquecer: Caputo pode ser extremamente calculista. Ele já demonstrou isso com as presas e agora demonstrou esse lado com a chantagem a Fig. Mesmo que tenha sido uma chantagem por um bom motivo, não deixa de ser corrupção.

Para terminar essa review, vou jogar no ar algo que pode ser uma completa viagem da minha parte — e se for, volte para comentar quando assistir e identificar isso (ou não): só eu achei que está rolando um clima entre a Red e o Healy? Pode ser confusão minha, mas a explosão dela foi bem estranha (e reveladora).

Pelo sim ou pelo não, já estou shippando. Achei fofo (podem julgar).

Até agora Empathy Is a Boner Killer foi o episódio mais tenso da temporada. E o primeiro que me fez chorar.

A despedida de Nicky de Litchfield doeu no meu coração e espero muito que a personagem volte. Ainda estamos no início, mas as coisas já estão ficando mais sérias e mal posso esperar a série estrear para começar a ouvir outras opiniões por aqui.

Pra quem não se aguenta de curiosidade, temos mais spoilers aqui e aqui. Até a próxima!

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER