Rory Gilmore e o estereótipo millennial

Atenção: esse texto contém spoilers da série Gilmore Girls e de Gilmore Girls: Um Ano Para Recordar

Depois da geração X, que lutou bravamente para ter o que queria, sacrificando tudo no processo, era de se esperar uma geração totalmente oposta.

Os millennials, como a atual safra de adultos é conhecida, cresceram no momento econômico e tecnológico certo. Foram a última geração a não nascer na era digital, mas amadureceram junto com os avanços da tecnologia, desfrutando de todas as conquistas da geração anterior. Uma geração que nasceu e foi criada achando ter direito a tudo. Estudaram nas melhores escolas, tiveram acesso à melhor educação possível apenas para serem cuspidos para longe ao adentrar o mercado de trabalho. E o maior símbolo dessa geração é Rory Gilmore.

O símbolo de uma geração

A personagem de Gilmore Girls sempre foi a representação perfeita de tudo que sua geração é em seu âmago. Esforçada, sim. Mas também orgulhosa e mimada. Rory sempre achou ter direito a tudo, fosse beijar o sobrinho do dono da lanchonete enquanto ainda namorava o empacotador do mercado ou ter uma vaga no jornal da escola. Como tudo sempre lhe foi dado de mão beijada, a garota achou ser mais merecedora do que de fato era.

Já na faculdade, ela mostra sua personalidade, assumindo o editorial do jornal de Yale única e exclusivamente por não ter outra pessoa para o cargo. No entanto, assim que fora confrontada com a primeira negativa na vida, ela resolve largar a faculdade e roubar um iate. Não satisfeita, ainda briga com a mãe por esta ser contra a decisão.

No fim da sétima temporada, Rory parece ter crescido e se mostrado mais do que um estereótipo. Mas é aí que a gente se engana.

Um Ano Para Recordar

Quem vê a personagem aos 32 anos, falida, desempregada, sem ter onde morar, sendo o lanchinho do seu ex-namorado que está noivo de outra garota enquanto enrola seu namorado de dois anos, percebe que aquelas mudanças do fim da série foram apenas uma ilusão.

Uma escritora nata que sempre sonhou em ser correspondente internacional mas nunca teve capacidade de sair debaixo da saia de sua mãe, Lorelai. Infelizmente isso só a torna medíocre. Ao curso dos quatro filmes, Rory demonstra ser uma péssima jornalista ao levar sua mãe para fazer a matéria com ela, dormindo enquanto uma fonte está dando um depoimento e transando com outra.

Mas o cúmulo ainda está por vir. Após ser cortejada por um site por um ano e se vendo sem alternativas profissionais, a srta. Gilmore resolve ir a uma entrevista, na qual não se dá sequer ao trabalho de pesquisar como contribuir com o ambiente de trabalho e com as pautas em questão. O sentimento que temos ao ver é que ela achou estar garantida, como se fosse obrigatório que todos a aceitassem dessa forma. Obviamente, não deu certo.

Com isso, ela acaba voltando para a barra da saia de sua mãe, agindo como uma criança birrenta e deixando claro que essa mudança é apenas temporária.

Quando seu ex decide que ela deveria escrever um livro sobre seu relacionamento com sua mãe, ela acata e nem ao menos considera a possibilidade de que tornar essa história pública talvez não fosse o que a Lorelai mais velha queria.

No instante em que sua ideia é rejeitada, tal qual uma criança mimada e egoísta, ela briga com a mãe e decide fazer da mesma forma. No final, isso faz com que ela acabe pressionando sua mãe a abrir mão de seus princípios novamente para dar tudo que ela quer.

Ao chegarmos a Fall, ainda sem saber o que fazer, Rory chega à conclusão de que todas as suas conexões não ajudaram em nada e ela é apenas mais uma garota cuja vida mostrou que não passa de mediana, que sempre quis as coisas até o momento em que as conseguiu.

Talvez a revelação final a faça crescer mais um pouco, mesmo que de forma forçada e tardia e a acorde para a vida real. Talvez ela perceba que chegou a hora de parar de imitar a mamãe. Ou talvez ela veja que no fundo, Lorelai sempre teve razão e elas sejam iguaizinhas, fadadas a cometerem os mesmos erros.

O piloto nos cantando a bola

No fundo o maior problema é justamente esse: a Rory é uma Lorelai piorada, inconscientemente seguindo os passos de sua mãe.

Sobre o Autor

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

The Handmaid's Tale voltou!!! O que rola de novo nesta temporada? Descubra mas SEM SPOILER!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!