The Good Wife 4×22 — What’s in the Box? [Season Finale]

Estou dentro.” — Alicia, para Cary

Na review do episódio passado, comentei o fato de os roteiristas estarem sugerindo que Alicia se juntaria à Cary por se sentir insatisfeita com as atitudes dos sócios. Não citei, entretanto, que a decisão da protagonista também poderia atrelar-se a outro ponto óbvio: o envolvimento com Will. E o desfecho desse plot — ou pelo menos uma prévia do desfecho — foi a cereja do bolo da season finale de The Good Wife.

Aproveitando a metáfora, foi saboroso digerir “What’s In The Box?”, recheado de boas surpresas e reviravoltas, a começar pela fraude percebida por Zach e acusada formalmente pela Lockhart/Gardner — completamente interessada na eleição de Peter ao governo de Illinois. A revelação de que a maioria dos votos da suposta urna violada por Mike Kresteva (cadê o Matthew Perry?) favorecia, na verdade, o candidato de Eli, injetou uma dinâmica extra no episódio, que se mostrava bastante promissor já nos primeiros minutos.

Interessante que, através desse caso, os roteiristas sintetizaram uma das principais mensagens transmitidas desde o piloto da série: o sistema jurídico, nos moldes vigentes, é ambíguo, escorregadio e adaptável aos interesses individuais. Na maioria das vezes, os vereditos estão ligados a interpretações e interesses, não ao que os fatos em si indicam. Como tomar uma decisão coerente frente a advogados que trocam de posições em questão de segundos? Fiquei com pena quando a vovó da seção eleitoral desmoronou em meio à tanta loucura, coitada.

TGW4X22_2

E não foi só a participação da vovó que movimentou o episódio. Tivemos o divertido juiz Abernathy para julgar o caso (e andar pela sala durante a seção); a fértil e sagaz advogada Patti na defesa de Kresteva; O’Malley, ops, o gestor de campanhas Karahalios correndo por fora como representante do terceiro candidato; e ainda a juíza Patrice, bastante caricata — em minha opinião — para avaliar a reclamação nonsense de Jordan.

Em paralelo, Colin Sweeney, o cliente mais “querido” de Alicia, também deu o ar de sua graça propondo um acordo a Cary a fim de migrar seus negócios, que geram cerca de 22 milhões de dólares ao ano, para a futura firma do associado. E, se Alicia ainda tinha dúvidas quanto à força do novo negócio de Cary, a ligação de Sweeney no meio da madrugada as sanou de uma vez.

Falando em dúvidas, as nossas quanto ao caráter de Peter Florick também foram sanadas. Após os diversos desdobramentos do caso da fraude de votos, Peter teve final feliz. Mas isso não significa que ele saiu bem na fita, ainda mais após o diálogo com Will. Ficou claro que o marido de Alicia sabia do esquema descoberto por Kalinda e que estava disposto a tudo para chegar ao poder. Daí é só um pulo até ele aprontar com a boa esposa de novo.

Alicia que se cuide no próximo ano. Peter saiu da eleição mais poderoso e confiante, enquanto a advogada, que não sabe das armações do marido, toma caminhos arriscados. Vale ressaltar que Cary é jovem e por isso tem tempo de sobra para consertar seus erros. Alicia não, pois retomou sua carreira tardiamente. Espero que a protagonista esteja mantendo o casamento simplesmente por acreditar nele, e não por status político. Se o baque foi grande enquanto mulher do procurador, imaginem agora como primeira-dama e sócia de um dos maiores escritórios de advocacia de Chicago.

A partir do que foi apresentado, The Good Wife manteve o nível dos anos anteriores, embora os produtores tenham demorado um pouco mais para encontrar o ritmo desta vez. Quanto à quinta temporada, sabemos agora que Will conta com uma carta na manga capaz de desestabilizar toda a configuração dessa season finale. Que setembro, então, venha com boas tramas, mais participações memoráveis e grandes atuações de Julianna Margulies e sua trupe.

Observações:

– Qual é a do enfermeiro da mãe de Peter?

– E nada do marido de Kalinda;

– Ainda sobre Kalinda, ela não foi coerente ao ficar indignada com a proposta de Cary à Robyn. Já que não conseguiu com a primeira, ele está tentando com a segunda. Negócios são negócios;

– Peter no governo, Diane mais próxima de se tornar juíza. Será?

– “Você sabe por que eu gosto de filmes de terror? Porque eles são demais” Gold, Eli.

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER