The Voice Brasil 3×03 — Tem mais repetente na área

Noite com alguns rostos já conhecidos pelo público e pelos técnicos

the-voice-brasil-3-episodio-3

Antes de falar do episódio em si, gostaria de lembrar uma coisa: The Voice é franquia. Pela definição, uma franquia utiliza um know-how de uma marca, mantendo alguns padrões, mas com permissão para algumas poucas adaptações, desde que não perca as características da franqueadora.

Por que a Nany tá falando disso ao invés de contar o que rolou no episódio de ontem?” PUTO, Você Pensando Meio

Porque, gente, alguns pontos devem ser levados em consideração na hora de comentar o The Voice Brasil. Dois deles, eu gostaria de abordar agora, se você não estiver interessado, ande duas casas- ou ignore dois parágrafos — até a primeira performance da noite passada.

Primeiramente, falarei sobre a postura dos técnicos. Não raras vezes vejo algumas pessoas dizendo que eles tomam mais atenção do programa do que deveriam, que Milk só quer aparecer, Lulu quer ser a estrela do show e Brown tem que calar a boca. Ok, em alguns momentos, rola exagero por parte deles mesmos, mas basta ver outra franquia para ficar claro que os técnicos têm um papel muito além dos jurados de outros realities musicais. Por que o The Voice teria tanta preocupação em contratar artistas consagrados como coaches se não fosse para eles aparecerem? Confesso que não me agrada tanto a postura dos técnicos brasileiros, mas eles têm seguido pelo caminho certo, deixando o programa cada vez mais parecido com os de outros países.

Outro ponto é a presença de ‘repetentes’ e participantes de outros reality shows. Há no Brasil a cultura do dom de um artista como suficiente para ele fazer sucesso. O cara tem uma voz foda, dá a sorte de ir pra TV e pronto, já virou famoso. Só que acontece que o The Voice original não foi criado nas terras tupiniquins e, com ele, veio a cultura do aprendizado como algo a ser valorizado. Por isso, há (pelo menos em outros países, espero que nessa temporada também haja no Brasil) os treinos, fase importantíssima do programa e na qual podemos perceber nitidamente como o estudo dos candidatos junto ao conhecimento passado pelos técnicos levam à evolução dos músicos. Receber alguém que passou pelo palco do programa anteriormente, mas acabou eliminado, deve ser visto como algo positivo e não como carência de talentos. Aliás, pode ter certeza que tem muita gente boa por aí, alguns se inscreverão no programa, outros precisarão ser caçados pela produção e outros sequer vão chegar ao nosso conhecimento. Só não venham menosprezar que não deixa de crescer porque se contenta com um dom, pois prefere investir em estudo e treino.

A noite começou sertaneja e toda vez que entra uma dupla sertaneja bacana, lembro dos primeiros selecionados por Brown, tão errado. Vitor e Vanuti cantaram um grande sucesso do Roupa Nova, “Volta pra mim”. Particularmente, a voz grave do segunda voz me chamou mais atenção do que a do cantor que faz a primeira. Não sei se foi também essa a percepção de Daniel, mas coincidentemente, ele só virou no momento em que eles alternam e a voz grave torna-se predominante. No último segundo, Carlinhos e Cláudia também se viraram, mas é o tipo de disputa em que Daniel sai na frente antes mesmo de se virar.

natalie-alvim-the-voice-3

Em uma das melhores apresentações da noite, Nathalie Alvim conquistou os quatro técnicos cantando “Whole Lotta Love”, de Led Zeppelin. Ela participou do programa em 2012, quando Lulu aconselhou a sentir mais a música ao cantar, ela o ouviu, além de ter entrado no palco bem mais tranquila. A presença de palco da moça melhorou significativamente, Milk pirou no rock~ até porque, ela adora Led Zeppelin, pena que faz dele axé.. Enfim, foi com Cláudia mesmo que Nathalie ficou.

Outro rosto conhecido, dessa vez, do Ídolos, Kim Lírio, o roqueiro marrentinho que se achava e deixava as menininhas loucas no programa da Record, mesmo quando desafinava. Por muito pouco ele não ficou fora do The Voice com sua performance de “Sem radar”, do LS Jack. Achei a escolha ruim, Daniel, único a se virar, comentou que a voz é boa, mas falta amadurecimento. Será que ele vai evoluir até o fim da temporada?

Kynnie Williams é brasileira — apesar do nome — e foi de Beyoncé na audição, “Why Don´t You Love Me”. Carlinhos logo se virou, Daniel esperou que a música quase acabasse para apertar o botão. O cantor sertanejo disse que na falta de um chapéu, tiraria o sapato pra ela, mas não adiantou e ela acabou indo pro time de Brown.

Nanda Torres tem uma história de vida bacana e passa tranquilidade e leveza com suas expressões e sua voz, mas não conquistou nenhum dos técnicos com sua versão de “Começar de novo”.

“Muito obrigado Axé”, canção de Carlinhos Brown já gravada por Ivete e Betânia, foi a escolha de Vanessa Borges. A cantora não é ruim, tem uma bela voz, na verdade, mas parecia um robô tentando manter uma boa presença de palco e técnica vocal. Talvez tenha sobrado um pouco de nervosismo. Entre Carlinhos e Daniel, Van — como a apelidou Daniel — optou pelo mais óbvio, seu conterrâneo Brown.

A melhor performance da noite foi de uma das candidatas com a dona de uma bela voz e com uma história de vida incrível. A também baiana Kall Medrado tinha obesidade mórbida e teve que lutar para emagrecer, 80kg mais magra, começou a estudar técnicas vocais há tipo um ano apenas e o resultado foi uma apresentação impecável de “You make me feel (a natural woman)”, de Aretha Franklin, conquistou os quatro técnicos. Mas como ninguém é perfeito…

Quem ouvia a voz de Joey Mattos escondido por uma cortina não saberia dizer ao certo se tratava de um homem ou mulher, timbre impressionante, apresentação muito legal e escolha musical inusitada, “Domingo”, do Só pra Contrariar. Logo Lulu se virou, seguido dos outros três técnicos.

Com 49 anos, figurinha carimbada no cenário musical do Rio de Janeiro, mas que andava afastado dos palcos há alguns anos, Edmon Costa cantou “Samba de verão”, bossa nova que transformou em soul music e nos proporcionou o momento mais engraçado da noite.

the-voice-brasil-lulu-chocado02
the-voice-brasil-lulu-chocado03
the-voice-brasil-lulu-chocado

HAUAHUAHUAHUAHUAHUAHAUHAUHAUHAUAHUAH MAS JENT!

Então, Lulu explicou as regras do programa, nãos ei bem se Edmon entendeu, mas como era Lulu quem tava falando tudo, ele o escolheu como técnico e tals.

Rafaela Melo fez uma versão bem legal de “Flor da Pele”, do Zeca Baleiro. Surpreendentemente, apenas Daniel se virou e foi bem ao final da apresentação. Pro desespero da cantora e do marido dela que assistia a tudo, o príncipe resolveu fazer uma graça e a levou do palco no colo.

the-voice-3-colo

A última performance da noite foi de Vinícius Zanin, com “Seven nation army”, White Stripes. A única a se virar foi Claudinha, que acreditava ter escolhido mais uma mulher pra eu time, Lulu também disse ter confundido a voz do cara com a de uma mulher, não achei pra tanto, talvez porque estava vendo o barbudo o tempo todo e tals.

Ao final da noite, Carlinhos ficou com 9 ems eu time, Lulu tem 8 cantores, Cláudia está com 6 e milagrosamente, Daniel tem 7 músicos. Bom que nem vai precisar de campanha pro sertanejo se virar dessa vez! E foi ele que encerrou o episódio com a clássica “Evidências”, já quero uma apresentação com “Nuvem de lágrimas” também. Rola?

the-voice-3-daniel

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER