The X-Files 10×01 — My Struggle

My Struggle é The X-Files em sua melhor forma. A verdade continua lá fora!

“Não. Eu quero acreditar.” — MULDER, Fox.

Sério, como lidar com esse retorno? Sempre que se fala em reboot, remake, revival… Fãs ficam nervosos. É um misto de excitação e medo, não sendo diferente com The X-Files. Para sorte dos eXcers (essa denominação vai voltar a fazer sentido, yay!), tem alguém que realmente sabe o que está fazendo — In Chris Carter we trust!

O cenário mudou, a globalização retirou os limites para o alcance das informações e a teoria da conspiração voltou em nível hard! The X-Files sempre brincou com as possibilidades, mesmo diante de teorias meio absurdas, os conceitos e acontecimentos eram colocados de forma que sempre ficava a interrogação (lá no fundo): e se fosse verdade?

Tudo o que acontece em escala mundial, desde 2002, foi maravilhosamente ordenado (e associado aos casos de UFO’s no pós-guerra) no roteiro para tornar essa sensação ainda mais palpável, mostrando que sim, The X-Files ainda tem histórias relevantes a serem contadas.

Está tudo lá, facilmente reconhecível para os antigos fãs e atrativo para a nova geração de espectadores. Para quem acompanha a série desde as 9 temporadas e os dois filmes, há milhares de easter eggs ao longo do episódio, sem que isso comprometa o entendimento para os novatos na mitologia.

Mulder continua apaixonado e impulsivo em suas ações. Scully continua cética. Skinner continua nos bastidores dando cobertura, ainda temos um informante misterioso que ajuda Mulder, os conspiradores continuam nas sombras (e na fumaça)… E os coadjuvantes continuam extremamente talentosos e relevantes.

Joel McHale foi a escolha perfeita para Tad O’Malley. O ex-Jefrey de Community consegue reunir o charme meio canastrão e o ar de liderança que faz as pessoas prestarem atenção no que ele diz. Mesmo que o personagem seja meio dúbio, vemos quando Mulder percebe nele um verdadeiro conhecedor do assunto. Alguém com quem pode, realmente, debater.

O’Malley é um Mulder bem sucedido. Enquanto o ex-agente afundava nas sombras ao tentar provar suas teorias, o apresentador conseguiu ser o foco das atenções sem que isso lhe privasse do acesso a informações essenciais.

O timming entre os dois atores foi perfeito. Desde as discussões sobre a teia de relações internacionais, os acontecimentos globais, as teorias quânticas, as aparições de ovinis… Tudo dito tão rápido e com tanta convicção que foi fácil se identificar com Scully — meio perdida, meio achando tudo aquilo absurdo.

Foco também na cena em que O’Malley mostra a Mulder uma nave construída com tecnologia alien lembrando muito algo que poderia ser visto em X-Men, provando que a série se atualizou. Na década de 1990 tudo era muito sutil e nas sombras, mas a audiência de hoje pede pelo explícito, por mais que seja surreal. Se bem que naquela realidade e pelas possibilidades já apresentadas pela série… e se fosse verdade?

Outro ponto positivo é o respeito pelo caminho percorrido por seus protagonistas, que continuam respeitando suas diferenças, e o contato individual deles com Sveta (Annet Mahendru) é uma forma de lembrar essa relação.

Mulder tem um fraco por mocinhas indefesas com histórico de abdução, o que remete à sua recordação mais dolorosa: a abdução de sua irmã quando ainda eram crianças. É como se ao ouvir os famosos relatos das experiências, conseguisse criar um cenário do que aconteceu à Samantha. Então ele se identifica, se apieda, tenta protegê-la… Acredita no seu sofrimento.

Já Scully sabe, por experiência própria, o que é ter seu corpo invadido e ser impotente em relação a si mesma. Continua cética, não porque não acredita, mas porque precisa de provas para isso. E Sveta não consegue convencê-la, ao menos até ler sua mente (uma referência ao personagem Gibson Praise) e dar ao público um panorama de como está o relacionamento entre ela e Mulder nesse momento (uma forma brilhante de nos situar, fugindo das óbvias DR’s).

Se Chris Carter sabe o que está fazendo ao escrever a história, David e Gillian sabem exatamente para onde Mulder e Scully estão caminhando: sempre em direção ao outro.

Os progatonistas podem até não estar mais em um relacionamento amoroso, mas não estão separados. Desde o primeiro telefonema é perceptível a satisfação em terem um motivo para conversar. A química entre os eles é intensa, cheia de companheirismo, preocupação, intimidade e até ciúme.

David Duchovny disse que os personagens não sairiam por aí discutindo relação enquanto desvendavam mistérios. Ainda bem que será assim! Afinal, para ser fiel à relação deles, as coisas devem continuar nas entrelinhas (como nos olhares e expressões incomodadas), no máximo uma brincadeirinha despretensiosa.

Mas como nem tudo são flores, ainda existe a tensão e o ressentimento pela separação. Que também não foi alardeado, mas perceptível nas indiretas que Mulder dá em alguns momentos. Mesmo que seja de forma implícita, ainda há muito que ser resolvido entre eles (leia-se, William).

Ocasiões não vão faltar, já que Skinner os convocou e os Arquivos X foram reabertos segura essa Canceroso! Mulder e Scully estão com sangue nos olhos não estão nada felizes em terem sido enganados e voltaram a ter razões para buscar pela Verdade. Sabem que os inimigos estão mais perto, não sendo preciso uma nave para encontrá-los. Os conspiradores que se cuidem.

Se a première foi essa bomba atômica de informações, resta torcer (we want to believe!!!) para que os próximos 5 episódios continuem tão intensos quanto. E não custa torcer por uma 11ª temporada né?

Obs1: Quem não se arrepiou ao ouvir a música na abertura (que agora tem o crachá do Skinner!)?

Obs2: Possivelmente veremos Sveta e O’Maley novamente.

Obs3: Lembrem-se, tentar diagnosticar e tratar de seu parceiro geralmente não dá muito certo para o relacionamento (ouviu, Dra. Scully?).

Obs4: Perdoem a extensão do texto, mas não houve como conter a empolgação.

Segue o promo do próximo episódio:

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Lidio Mateus, o brazilian singer da internet, comenta todos os bafos e segredos de sua carreira.

Tem série nova na HBO e os bastidores dela foram recheados de TRETAS. A gente conta todas neste vídeo.

Esse é o filme que vai ganhar o Oscar de filme estrangeiro. Neste vídeo comentamos Parasite. Assista!

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!

OUÇA ACABEI DE LER