Agent Carter 2×06/07 — Life of the Party/Monsters

Em episódio duplo, Agent Carter traz de volta personagem da 1ª temporada na tentativa de engrenar sua trama.

Você precisa da minha ajuda.” — UNDERWOOD, Dottie

Atingindo números menores a cada semana, Agent Carter também não tem empolgado a crítica especializada, o que fez em seu primeiro ano. É lógico que os executivos da ABC estão de olho na situação, tanto que nesta semana eles optaram por exibir dois episódios de uma vez só. Completamente diferente de quando começou, a série revelação de 2015 pode terminar sua trajetória chutada da grade do canal aberto.

Em Life of the Party acompanhamos o retorno de Dottie Underwood, uma — dentre as poucas possíveis — sacada inteligente dos roteiristas.

Além das ótimas cenas com o Jarvis, Dottie rendeu aos telespectadores duas ótimas reflexões sobre a versatilidade feminina. Na primeira, colocada em paralelo a protagonista, Dottie escancarou uma faceta ainda não conhecida da mesma. Mais tarde, já em Monsters, a expiã russa se comparou diretamente a Whitney Frost e, por mais que ambas podem ser consideradas vilãs, a futura Madame Máscara tratou de explicar que não existem tantas semelhanças assim. Resta saber se o segmento continuará rendendo ou se Dottie mudará de lado. Para o seu próprio lado, talvez.

Na última crítica, comentou-se muito sobre o esforço da série em soltar uma piadinha atrás da outra, fazer graça com tudo. Compreensível até, The Atomic Job não tinha tanto a oferecer mesmo. Já esta semana é diferente. Esta semana teve Dottie, teve Anna e teve Thompson. Ou seja, necessidade zero de tentar ser engraçadinha a todo momento. Pecou pelo excesso. Além disso, incomodou também o enredo do Dr. Wilkes e seus inúmeros surtos envolvendo a matéria zero e a postura de Peggy em relação a personagem de Bridget Regan.

Sem tantas cenas de ação, os efeitos especiais marcaram presença. Surpreendentemente, a produção da Marvel não passou vergonha, ainda que passe bem longe de agradar os olhos do público. Efeitos apenas Ok, aliás, Ok é a palavra ideal para definir a 2ª temporada até aqui. Muito auê para acertos minguados. Um exemplo? Metin Hüseyin fez questão de reservar boa parte de Monsters para a vida amorosa de Carter.

Peggy está dividida entre Wilkes e Sousa, como foi deixado bem claro — quase desenhado, na verdade. Mesmo assim, persistiram nas insinuações sobre a relação dela com Jarvis. Nada explícito, nada conclusivo. Tal seguimento pode significar para os roteiristas uma saída no caso de nenhum dos pretendentes cair no gosto das pessoas, o que vem acontecendo. Ainda acha improvável? Pois lembre-se que há algumas semanas atrás vimos a história de origem da agente ser simplesmente reformulada.

A transição de Life of the Party para Monsters deixou apenas explícita a decisão da ABC voltada exclusivamente para salvar sua preciosa audiência. Se um episódio termina quase chegando ao clímax do especial de duas horas, o outro assume e volta para a calmaria. Tal quebra na dinâmica de Agent Carter tem se tornado comum. As coisas só voltam a acelerar mesmo nos últimos minutos, quando Peggy e Jarvis precisam correr para salvar a donzela em perigo, a.k.a. Wilkes. Mas, infelizmente, é a cativante Ana quem pode deixar o elenco mais cedo. Não tão cedo assim, afinal, a série caminha em direção a um cancelamento. Uma pena.

A seguir a promo de mais um episódio duplo, The Edge Of Mystery/A Little Song and Dance. Lembre-se também de comentar sua opinião e dar uma nota no mecanismo logo abaixo do vídeo.

[taq_review]

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Personagem afeminado de Cavaleiros do Zodíaco será mulher em remake da Netflix.

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!