The X-Files 3×20 — Jose Chung’s From Outer Space

Jose Chung’s From Outer Space traz a essência de The X-Files em tons cômicos.

A verdade é tão subjetiva quanto a realidade.” — CHUNG, Jose

Mesmo sendo The X-Files uma história sobre a busca pela ‘Verdade’, vamos aprendendo ao longo dos episódios que toda verdade pode e deve ser relativizada. Aqui é a primeira vez que vemos um caso investigado pelos olhos de outra pessoa que não Mulder e Scully. Chung vai nos guiando, fazendo perguntas, mas sem ridicularizar a versão dos fatos. Ele é praticamente parte do público, como nós. Por isso Jose Chung’s From Outer Space é um dos episódios com roteiro mais forte da série.

E se estamos falando sobre os mistérios do universo, já iniciamos com uma referência linda a Star Wars. Parece que estamos vendo um destroyer imperial deslizando no espaço, mas tudo não passa de uma ilusão (assim como a maior parte do que acontece no episódio?) que culmina em um teaser que deixa todo mundo (talvez, um dos melhores da série), no mínimo confuso. Aliens falando inglês e sendo atacados no momento em que estão abduzindo alguém? Como assim?

Também é genial que seja Scully (muito tiete), sem a presença física de Mulder, a relatar a história para o escritor. Dá a sensação de que teremos uma narrativa mais sensata. O que não acontece. E vê-la tentando trazer um tom mais sério a tudo o que está relatando causa até um sentimento de vergonha alheia compaixão diante o turbilhão de reviravoltas que se sucedem.

E ainda somos confundidos, pois aquilo que Scully fala em off com o escritor, muitas vezes não condiz com as cenas das experiências subjetivas dos personagens. Chegamos a ficar na dúvida se estamos vendo pelo olhar dos personagens ou pela imaginação do escritor ao preencher as lacunas.

Os relatos tão típicos, inicialmente, vão ganhando camadas que acrescentam complexidade à trama. Desde a história inicial dos dois adolescentes que vão se complementando aos poucos (com as intervenções preciosas de Mulder e Scully), ao roteirista, que traz o nome do Sr. Kimbote e a visita dos ‘homens de preto’, até o nerd careca, culminando com o contato imediato de 3º grau de Mulder com o soldado.

Interessante é notar como o jogo de câmeras e a disposição dos atores nas cenas são peculiares. Nas cenas de hipnose, por exemplo, que graças a posição dos personagens indicam claramente que a moça poderia estar sendo sugestionada.

Aliás, esse é um episódio de detalhes. Coisas bizarras vão se sobrepondo, como um extraterrestre fumando, para depois descobrirmos (devido a mais uma das maravilhosas autópsias da série) que a abdução original seria uma experiência militar. O sensacionalismo nas notícias — e o retorno do Grande Yappi!

Como os personagens coadjuvantes brilharam! Os adolescentes tão vulneráveis em sua euforia jovem, o detetive boca suja, o roteirista oportunista, o nerd (impagável vê-lo gritar ‘Roswel!” ou comparar Mulder e Scully aos homens de preto) os militares que se fantasiavam de extraterrestres… Todos eles cumprindo o papel de fazer com que toda aquela história os ‘homens de preto’ fizesse algum sentido… Ou não. Mas o ponto alto, sem dúvida é o Jose Chung (Charles Nelson Reilly) . Suas ponderações sobre os absurdos são geniais e cômicas ao mesmo tempo.

A união de todos esses elementos fazem de Jose Chung’s From Outer Space, um episódio clássico de The X-Files. Amado pela maior parte dos fãs da série brinca com a temática da série, expondo o absurdo da maior parte dos casos investigados pelos protagonistas, sem cair no ridículo.

Mas a pergunta que fica é: quem (ou o quê) seria o Sr. Kimbolte? Como diabos vamos saber?

Curiosidades dos bastidores:

– O nome Jose Chung fazia parte de uma piada interna da produção, que o criou como um personagem fictício que sempre ligava para o escritório perguntando sobre um roteiro que ele teria submetido. A pessoa que recebia os telefonemas e dava as negativas ao “Chung” surpreendeu-se ao ver o nome no roteiro de Darin Morgan;

– O diretor, Rob Bowman fala que, mesmo tendo aspectos cômicos, o episódio trouxe uma temática bem séria no que se refere à conspirações: “Na verdade, é este o tema de todo o episódio, a percepção que temos da realidade, e o modo como ela pode ser alterada por meras palavras”;

– O Detetive Manners e sua boca suja foram uma homenagem ao diretor Kim Manners;

– Foi o primeiro episódio em que o tema de abertura foi utilizado como fundo dramático;

– Diana Lesky e Reynard Muldrake são pseudônimos para Dana Scully e Fox Mulder. Reynard é uma palavra francesa que significa ‘raposa’ (fox).

A seguir, promo do próximo episódio:

Sobre o Autor

Avatar

BOXPOP

Site especializado em cultura pop, fundado em agosto de 2007. Confira nossos podcasts, vídeos no youtube e posts em redes sociais. Interessados em contribuir como autor no site podem entrar em contato: contato@boxpop.com.br

Deixe um comentário

clique para comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

OUÇA O BOXCAST

VIDEOCAST

Personagem afeminado de Cavaleiros do Zodíaco será mulher em remake da Netflix.

Confira o que achamos da versão ilustrada de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban em português.

Wanessa tá de clipe novo. E o clipe define o que "é ruim mas é bom".

SEJA UM PADRINHO!

Contribua!